PANDEMIA

Covid-19: Manaus atingiu imunidade de rebanho, indica estudo

Especialistas afirmam, porém, que constatação não pode ser utilizada como política pública, já que, para atingir patamar necessário, foram contabilizados mais de 47 mil casos e 2,4 mil mortes na capital do Amazonas

Bruna Lima; Maria Eduarda Cardim
postado em 22/09/2020 18:39
 (crédito: Michel Dantas/AFP)
(crédito: Michel Dantas/AFP)

Um estudo preliminar conduzido por pesquisadores brasileiros indicou que Manaus atingiu a imunidade de rebanho contra o novo coronavírus. A pesquisa, que ainda não foi publicada em uma revista científica, mostra que entre 44% e 66% da população da capital do Amazonas apresentaram anticorpos para a covid-19, o Sars-CoV-2. Ao atingir o limiar, os resultados demonstram que a transmissão do vírus desacelerou.

No documento, os pesquisadores afirmam que a alta mortalidade e a queda sustentada de casos da doença na região sugerem que a imunidade de rebanho, ou coletiva, teve papel importante na determinação do tamanho da epidemia em Manaus. No entanto, os pesquisadores levantam outros fatores, como o aumento do distanciamento social, como justificativa.

O pico de pessoas imunizadas, segundo o estudo, foi em junho, quando 51,8% da população apresentavam anticorpos. Mas, ao corrigir os falsos negativos, o número sobe para 66%. Para conseguir controlar os dados e fazer avaliações precisas, o grupo analisou mais de 6,3 mil amostras de sangues coletadas por hemocentros da cidade.

Com testagens em diferentes momentos, foi possível corrigir questões como falsos negativos, além de permitir avaliar que, com o passar do tempo, a quantidade de anticorpos contra a covid-19 varia, sendo que, em aproximadamente 8% dos casos, os anticorpos não conseguem ser detectados nem na fase mais aguda da infecção.

Os autores alertam que ainda não há um consenso de modelos matemáticos sobre qual deve ser o percentual mínimo de pessoas infectadas pelo novo coronavírus para gerar a imunidade de rebanho para a covid-19. Segundo eles, este parâmetro ainda é desconhecido e os modelos têm previstos resultados muito divergentes.

Perda de vidas

A imunidade coletiva, no entanto, não deve ser interpretada como uma estratégia contra a covid-19, alertam especialistas. "[O estudo] não deve ser considerado política pública mas a constatação de uma realidade", escreveu nas redes sociais o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz Júlio Croda.

O assunto já foi tópico de coletivas da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Em julho, por exemplo, o diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis da organização, Marcos Espinal, reforçou que não recomenda que países tentem obter a imunidade de rebanho já que a perda de vidas seria massiva. Como a infecção não é tão leve quanto outras, não é possível que todos se contaminem ao mesmo tempo e se imunizem dessa forma.

Segundo especialistas, apostar nessa estratégia sem cautela poderia sobrecarregar o sistema de saúde. “O custo em termos de vidas perdidas será imenso, assim como o custo econômico", disse Espinal.

Manaus foi uma das cidades mais afetadas pela covid-19, registrando, oficialmente, mais de 47 mil casos e 2,4 mil mortes pela doença.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação