PANTANAL

Vídeo: Onça que teve queimaduras graves em incêndio volta para a natureza

Ousado, como foi batizado o animal, voltou ao seu habitat na região de Porto Jofre, em Poconé (MT), após 36 dias de tratamento em Corumbá de Goiás (GO)

Ana Luísa Santos*
postado em 20/10/2020 19:01
Ousado, nome que foi dado ao animal, foi solto na região de Porto Jofre, em Poconé (MT), local onde havia sido resgatado em setembro deste ano -  (crédito: Reprodução/Instagram)
Ousado, nome que foi dado ao animal, foi solto na região de Porto Jofre, em Poconé (MT), local onde havia sido resgatado em setembro deste ano - (crédito: Reprodução/Instagram)

A onça-pintada Ousado, que teve ferimentos graves causados por incêndios no Pantanal, voltou para o seu habitat nesta terça-feira (20/10). O animal recebeu tratamento com ozônio e laser durante 36 dias no Instituto de Preservação e Defesa dos Felídeos da Fauna Silvestre do Brasil em Processo de Extinção (Nex), em Corumbá de Goiás (GO).

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em parceria com outras instituições envolvidas no resgate da onça em setembro, como Ampara Animal, Secretaria de Estado do Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Panthera e Pantanal Relief Fund, iniciou os preparativos para Ousado ser solto no mesmo local em que foi resgatado.

Na última segunda-feira (19/10), a onça recebeu um colar GPS-Satélite para monitoramento, que, de acordo com os órgãos responsáveis pela soltura, tem o objetivo de avaliar a readaptação do animal no seu habitat.

Ousado foi levado por via terrestre até Porto Jofre (MT) e, depois, seguiu de barco até o local onde havia sido resgatado. Nos primeiros dias, o animal vai ser monitorado de perto por guias locais e por um pesquisador para ter uma avaliação direta sobre a adaptação. Os dados obtidos pelo colar GPS-Satélite vão ser avaliados pela equipe do Centro Nacional De Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros do ICMBio (Cenap-ICMBio).

Além de fornecer dados sobre Ousado, esse monitoramento também vai ajudar na análise de como todas as onças da região estão sobrevivendo nessa área que foi impactada pelos incêndios, de acordo com as instituições. Caso as ONGs percebam dificuldades na sobrevivência de Ousado, o colar permite saber a localização exata do animal para que ele seja resgatado.

Assista ao vídeo de Ousado voltando para o lar:

*Estagiária sob supervisão de Fernando Jordão

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação