PANDEMIA

Covid-19: Brasil acumula 158.969 mortes e quase 5,5 milhões de casos

Ministério da Saúde também divulgou, em coletiva, números da semana epidemiológica 43

Renata Rios
postado em 29/10/2020 19:39 / atualizado em 29/10/2020 19:39
 (crédito: Itamar Crispim/Fiocruz)
(crédito: Itamar Crispim/Fiocruz)

Nesta quinta-feira (29/10), o Brasil registrou 513 novas mortes causadas pelo novo coronavírus, de acordo com informações do Ministério da Saúde. Ao todo são 158.969 óbitos confirmadas no país. O acumulado de casos também teve aumento, ficando próximo da marca de 5,5 milhões, com 5.494.376 de infectados. Em 24 horas foram registrados 26.106 novos diagnósticos positivos no país. Seguem em acompanhamento 381.248 casos e outros 2.333 estão em investigação.

A situação da pandemia de covid-19 analisada pelas semanas epidemiológicas foi atualizada nesta quinta-feira pelo Ministério da Saúde, por meio de coletiva de imprensa. As informações repassadas dizem respeito a semana epidemiológica 43, que corresponde ao período entre 18 e 24 de outubro. Na ocasião também foi lançado um pacote de ações para ampliação e qualificação da vigilância e resposta à emergência sanitária em decorrência do coronavírus.

De acordo com as informações da pasta, o Brasil teve um aumento de 10% nos casos registrados, comparados aos dados da semana anterior, a 42ª. Se comparados aos dados de 14 dias, da semana 41ª, houve uma redução de 9% nos registros de casos no país. Já em relação ao número de mortos, comparado à semana 42, houve uma queda de 7%; e em relação à semana 41, a queda foi de 25%. “Vemos uma queda bastante consolidada semana após semana”, disse o secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, sobre a evolução do registro de novos óbitos.

Ao todo o Brasil somou, durante o período analisado, 156.273 novos casos da doença e 3.228 mortes. Sobre a situação por região, a pasta informou que no Norte foram 17.460 novos casos registrados no período e 229 mortes. No Nordeste foram contabilizados 33.010 casos e 538 óbitos. O Centro-Oeste teve um aumento em 7 dias de 21.509 casos e 405 mortes. O Sul teve 29.675 novos casos e 468 novas mortes. E o Sudeste teve um aumento de 54.619 casos e 1.588 mortes pela doença.

Em relação às comorbidades, 99.220 dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave por covid-19, o que representa 64,6% do total, apresentavam pelo menos um fator de risco. Cardiopatas são a maioria, sendo 10.632 com menos de 60 anos; e 52.913, com mais de 60 anos. Na sequência vem a diabetes, que atinge 2.459 pessoas com menos de 60 anos, e 8.068, com mais de 60 anos. As mulheres são minoria nos óbitos, sendo 42%. Pessoas acima de 60 anos são maioria, representando 73,5% dos casos fatais da doença.

Profissionais de saúde

Os profissionais de saúde, grupo especialmente vulnerável à doença por atuar na linha de frente, já somam 1.489 casos confirmados de covid-19, sendo 497 (33,4%), técnicos ou auxiliares de enfermagem; 320 (21,5%), médicos; e 257 (17,3%), enfermeiros. Ao todo são 346 óbitos confirmados pelo novo coronavírus entre os profissionais da área. Deste total 113 (32,7%), técnicos ou auxiliares de enfermagem; 72 (20,8%), médicos; e 41 (11,8%), enfermeiros.

A quantidade de exames realizados para covid-19 por mês no Brasil foi de 711.213 exames no mês de outubro, até o dia 24 do mês. O valor é menor que o mês de setembro, que registrou 944.739 exames, e que o mês de agosto, quando o Brasil teve 1.067.674 exames realizados. Ao todo já foram 4.807.249 exames analisados.

A média geral de exames por semana é de 134.675 e a média das últimas cinco semanas é de 202.749 exames por semana ou 27.354 por dia. “Gostaríamos de lembrar que o teste é uma solicitação do prescritor. Cabe ao Ministério da Saúde disponibilizar os testes para que o prescritor, ao fazer a prescrição do teste requisitado, ele possa realizar o teste e o paciente possa obter o resultado do seu teste o mais rápido possível”, esclareceu Arnaldo Medeiros sobre a redução na quantidade de testes feitos.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação