Hackers

Ataque de hackers ao STJ é o mais grave da história no país

Invasores criptografaram todo o acervo de processos do tribunal e tiraram do ar o sistema digital da Corte, que está com os trabalhos suspensos.

Natália Bosco*
postado em 05/11/2020 16:47 / atualizado em 05/11/2020 17:32
 (crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)
(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

O ataque cibernético ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pode ser o mais grave já dirigido contra uma instituição de Estado do Brasil. Na tarde desta quinta-feira (5/11), o site O Bastidor publicou que o hacker responsável por invadir o sistema do STJ criptografou todo o acervo de processos do tribunal, além de ter bloqueado o acesso às caixas de e-mail de ministros. Backups de dados da corte também foram criptografados. O site do STJ está fora do ar desde terça-feira (3/11), quando foi identificado o ataque.

Os técnicos do tribunal e peritos de empresas terceirizadas ainda não conseguiram quebrar a criptografia e pode ser que nunca consigam. A íntegra do acervo do tribunal está bloqueada e indisponível. A Polícia Federal foi chamada para investigar o caso.

Ainda fora do ar, o site da instituição conta apenas com duas notas de esclarecimento. A primeira avisa aos visitantes do site de que a plataforma se encontra “em regime de plantão até restabelecimento da rede, STJ analisa pedidos urgentes” e a segunda diz que “em razão de ataque cibernético, STJ funcionará em regime de plantão até o dia 9”. Todos os prazos processuais administrativos, cíveis e criminais estão suspensos com data provável de volta ao funcionamento normal na próxima terça-feira (10/11).

Em nota oficial à imprensa, a Polícia Federal (PF) informou que instaurou inquérito policial para apurar as circunstâncias da invasão dos computadores do STJ. O comunicado diz que “as diligências iniciais da investigação já foram adotadas, inclusive, com a participação de peritos da instituição. Eventuais fatos correlatos poderão ser apurados na mesma investigação, que está em andamento na Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal”.

*Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação