Covid-19

Brasil tem menor taxa de transmissão da covid desde início da pandemia

De acordo com análise do Imperial College, de Londres, a Rt está em 0,68. Índice coloca o país, pela primeira vez, em situação de declínio da doença, mas continua na lista de nações com a doença ainda ativa

Bruna Lima
postado em 11/11/2020 14:39
Redução da Rt foi notada em setembro, quando houve variação perto do índice 1, que indica contágio ainda está em níveis de descontrole -  (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press - 11/5/20)
Redução da Rt foi notada em setembro, quando houve variação perto do índice 1, que indica contágio ainda está em níveis de descontrole - (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press - 11/5/20)

Enquanto parte do mundo sofre com a segunda onda da covid-19, o Brasil vive, pela primeira vez desde a intensificação da pandemia, um declínio da doença. A taxa de transmissão (Rt) é a menor desde abril. De acordo com o novo levantamento do Imperial College, de Londres, o índice está em 0,68, ou seja, cada grupo de 100 pessoas tem potencial para transmitir o vírus para outras 68 pessoas saudáveis.

A redução da Rt começou a ser observada em setembro, mês em que houve variação perto do índice 1, que indica que o contágio ainda está em níveis de descontrole. Com a redução, o status da infecção, que era considerado lento a estagnado, agora está em fase de declínio. No mapa dos 72 países analisados pelo Imperial College, apenas o Brasil e a Bolívia estão no patamar de diminuição.

Apesar da aparente boa notícia, os índices podem voltar a subir, como ocorre, por exemplo, na Espanha, na França, na Alemanha e na Itália. Por isso, o Brasil permanece no rol de países com a doença ativa. “Por ter essa propagação dinâmica, é preciso sempre muita cautela e não confiar em apenas um indicador e em suas alterações pontuais – que, muitas vezes, flutuam de um dia para outro –, mas, sim, uma avaliação conjunta ao longo do tempo”, indica o o pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Ivan Zimmermann, um dos responsáveis pela sala de situação de saúde da instituição, iniciativa que também se debruça em analisar o Rt dia a dia.

A taxa de transmissão é um dos indicadores que ajuda no controle da epidemia. Mas, para se manter baixo, precisa estar alinhado com outros elementos, como números de novos casos e óbitos, taxa de ocupação de leitos e dados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação