PANDEMIA

Covid: Brasil registra 46 mil novos casos e 694 mortes em 24h

Se mantiver média de atualizações, previsão é que país encerre mais um acumulado semanal com incrementos e atinja 200 mil mortes já na próxima semana

Bruna Lima
postado em 04/12/2020 19:59 / atualizado em 04/12/2020 20:00
 (crédito: David Dee Delgado / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)
(crédito: David Dee Delgado / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)

Em uma nova escalada nas atualizações de registros da covid-19, o balanço do Ministério da Saúde contabilizou, nesta sexta-feira (4/12), mais 694 mortes e 46.884 casos da doença. Com isso, o Brasil perdeu até o momento 175.964 vidas para a doença e soma 6.533.968 de infecções desde o início da pandemia. Se mantiver a média de atualizações, a previsão é que o país encerre mais um acumulado semanal com incrementos.

Faltando um dia para completar a 49ª semana epidemiológica, o país somou 196.812 novos casos nos últimos seis dias. Se atingir a média móvel que, de acordo com análise do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass), está em 42.231 acréscimos diários, o Brasil extrapola as 237.486 infecções registradas na 48ª. Nesse raciocínio, os novos óbitos podem sofrer uma leve queda, já que a média móvel está em 570 e o acumulado dos seis dias é de 2709; na semana anterior, o acréscimo de mortes foi de 3.572.

Ao comparar as duas últimas semanas concluídas, o boletim epidemiológico já revelava continuidade de incremento significativo, com aumento de 17% dos registros de novos casos, comparando a semana 47 com a 48. Também houve acréscimo de 7% no número de mortes de uma semana para outra.

200 mil mortes

O ritmo faz com que o país se aproxime dos 200 mil mortes, marca negativa que, no mundo, apenas os Estados Unidos já ultrapassaram. São 278.083 óbitos pela covid-19, segundo a Universidade Johns Hopkins. De acordo com o Portal Covid-19 Brasil, iniciativa formada por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil deve atingir a marca ainda na primeira quinzena de dezembro.

Segundo o Ministério da Saúde, 87,9% dos infectados, ou seja, 5.744.369 de pessoas, estão recuperadas da doença. Outras 613.635, que correspondem a 9,4% dos diagnósticos positivos, estão em acompanhamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE