Rio de Janeiro

Família de garotos desaparecidos sofre acidente ao buscar informações

Carro dos familiares dos garotos capotou em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Parentes reclamam que têm recebido informações falsas sobre o paradeiro dos meninos

Correio Braziliense
postado em 06/01/2021 12:19
 (crédito: Reprodução/Rede Globo)
(crédito: Reprodução/Rede Globo)

Familiares dos meninos desaparecidos em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, sofreram um acidente na noite de terça-feira (5/1), após saírem para checar informações sobre o paradeiro dos garotos. Lucas Matheus, de 8 anos, Alexandre da Silva, de 10, e Fernando Henrique, de 11, estão sumidos desde o dia 27 de dezembro. Eles teriam saído de casa para brincar em um campo de futebol e não foram mais vistos.

Quatro pessoas da família dos primos Lucas e Alexandre estavam no carro que capotou na Rodovia Presidente Dutra. Os familiares receberam a informação de que os garotos estavam em uma sorveteria em Nova Iguaçu, a 8 km de Belford Roxo, e se dirigiam ao local. No meio do caminho, o pneu do veículo estourou, o que provocou o acidente.

Os ocupantes do carro tiveram ferimentos leves, foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e levados à unidade de saúde de São João de Meriti. A Polícia Civil retoma as buscas para tentar encontrar as crianças nesta quarta-feira (6/1). Os agentes voltam para uma área de mata onde os meninos costumavam brincar.

Após a repercussão dos desaparecimentos, de acordo com o Portal Uol, as famílias dos meninos passaram a receber trotes e informações falsas e até tentativas de extorsão. Camila Paes da Silva, de 29 anos, mãe de Lucas, contou que, no domingo (3/1), uma amiga dela recebeu uma mensagem de texto de um desconhecido dizendo saber do paradeiro da criança, mas pedia dinheiro pela informação. A mulher fez um print da conversa para encaminhar à polícia.

“Muita gente ligou dizendo que eles foram vistos andando pelas ruas de Belford Roxo, de Cabuçu (Nova Iguaçu), que estavam pedindo comida na rua. Mas, quando chegamos a esses locais, não conseguimos nenhuma pista”, comentou Hanna Silva, 24 anos, mãe de Alexandre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE