Covid-19

Voo que buscará vacinas na Índia é adiado e só decola na sexta (15/1)

Prevista para esta quinta-feira (14/1), viagem foi adiada por questões de logística no preparo da carga. Doses devem chegar ao Brasil no domingo (17)

Sarah Teófilo
Bruna Lima
Maria Eduarda Cardim
postado em 14/01/2021 12:51 / atualizado em 14/01/2021 14:59
 (crédito: Ministério da Saúde/Divulgação)
(crédito: Ministério da Saúde/Divulgação)

A operação do Ministério da Saúde para buscar as duas milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca na Índia foi adiada e a aeronave que vai buscar os imunizantes só decolará do Brasil às 23h da sexta-feira (15/1). Anteriormente, o avião da companhia aérea Azul sairia do país rumo à Índia ainda nesta quinta-feira (14).

Com isso, a chegada dos imunizantes no Brasil, que estava prevista para acontecer no sábado (16), deve ocorrer no domingo (17), dia em que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidirá sobre os pedidos de autorização para uso emergencial das doses que chegarão da Índia. A agência também avaliará no mesmo dia o pedido de uso emergencial das seis milhões de doses da vacina CoronaVac, que já foi importada da China pelo Instituto Butantan.

A Azul alega que o adiamento do voo que buscará os imunizantes ocorreu devido a questões de logística no preparo da carga. Segundo a assessoria de imprensa da companhia aérea, o avião só decolará do Brasil quando a carga de vacinas estiver 100% pronta. A aeronave decola ainda nesta quinta-feira (14), às 15h30, do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), com destino ao aeroporto dos Guararapes, em Recife (PE), onde ficará até partir para a Índia.

As duas milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca, adquiridas pelo Ministério da Saúde junto ao laboratório indiano Serum, retornarão para o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, onde serão armazenadas.

Segundo a nota emitida pelo Ministério da Saúde, a vacina poderá ser distribuída aos estados em até cinco dias após a aprovação do uso emergencial da Anvisa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE