pandemia em Manaus

Anvisa autoriza produção de oxigênio com menor pureza para aumentar oferta

Segundo a empresa White Martins, principal fornecedora de oxigênio medicinal do Amazonas, redução do teor de 99% para 95% vai aumentar capacidade de produção do insumo durante a crise. Medida vale por 180 dias

Sarah Teófilo
Bruna Lima
Maria Eduarda Cardim
postado em 15/01/2021 14:52
 (crédito: Michel Dantas/AFP)
(crédito: Michel Dantas/AFP)

Em meio ao colapso do sistema de saúde do Amazonas provocado pela falta de oxigênio nos hospitais, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a empresa White Martins, principal fornecedora do produto ao estado, a fabricar oxigênio hospitalar com teor de pureza em 95%, em vez dos 99% exigidos em condições normais.

"Conforme solicitado, a medida valerá pelo prazo de 180 dias", delimita a Anvisa. A medida foi autorizada na condição de que os profissionais de saúde que atuam nas unidades hospitalares do estado estejam cientes da modificação, e que o teor de 99% seja restabelecido assim que a situação for normalizada.

Segundo a White Martins, a diminuição no teor de pureza vai possibilitar o aumento da capacidade de produção neste momento de crise. "Esta flexibilização poderá aumentar a capacidade produtiva da planta de Manaus em aproximadamente 2.000 metros cúbicos diários", estimou.

A mudança foi pedida pela própria empresa, que informou que esse percentual mínimo de pureza solicitado permanece "em patamar ainda superior ao exigido para a produção via Sistemas Concentradores de Oxigênio (Pressure Swing Adsorption — PSA), um equipamento utilizado por diversas instituições de saúde no Brasil".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE