covid-19

Quantidade de jovens infectados aumenta seis vezes em São Paulo

Crescimento dos casos é relacionado por especialistas a aglomerações e festas no fim de ano. Taxa de contágio entre pessoas de 10 a 19 anos subiu de 1% para 6,7% de março do ano passado até agora. No grupo de 20 a 29 anos, proporção chegou a 20,7%

Carinne Souza* Natalia Bosco*
postado em 15/01/2021 18:08
 (crédito: REUTERS/Pilar Olivares)
(crédito: REUTERS/Pilar Olivares)

A maior cidade da América Latina bateu novo recorde negativo na pandemia causada pelo novo coronavírus. Aparecem, agora, os resultados das festas de final de ano.

Jovens com idade entre 10 e 19 anos atingiram a maior percentual de infectados pelo novo coronavírus registrada entre março de 2020 e janeiro deste ano. A taxa de infecção nesse grupo, em março do ano passado era de 1%, e em janeiro deste ano alcançou a máxima de 6,7%.

O levantamento feito pela GloboNews com dados divulgados pelo governo de São Paulo, também mostra um salto na taxa de infectados no grupo com idade entre 20 e 29 anos. Em março de 2020, esse grupo representava 11,7% dos infectados; no primeiro mês de 2021, a taxa chegou ao pico de 20,7%.

O número representa jovens mais despreocupados com os riscos de contaminação.

Na direção contrária, grupos de maior idade têm diminuído a taxa de infecção. Ela diminuiu no grupo de pessoas com idade entre 40 e 60 anos. Já o grupo entre 30 e 39 anos teve a taxa de infecções estável durante todo o ano passado, e até janeiro deste ano.

Dados da Prefeitura de São Paulo também mostram que 21% das pessoas que já foram infectadas pelo vírus não têm mais anticorpos contra a covid-19. O estudo contou com a participação de 730 pessoas que testaram positivo para a infecção. Dessas, 26% foram assintomáticos e 18,1% apresentaram sintomas do novo coronavírus.

O infectologista do Hospital das Forças Armadas (HFA) em Brasília Hemerson Luz já havia alertado para o aumento no número de casos de pessoas infectadas. “Dentro do trabalho, eu tenho visto grande parte dos pacientes relatando que estavam em uma festa de fim de ano e que, agora, souberam que algum dos integrantes da festa testaram positivo (para covid-19) e estão com alguma síndrome gripal. Agora, estão atrás de exames, e a grande maioria está dando positivo (para o novo coronavírus)”, informou.

O médico salientou que é necessário sempre projetar números relacionados à covid em períodos de 15 dias, que é aproximadamente o tempo de incubação do vírus e de manifestação da doença. Hemerson Luz também contou que alguns pacientes relataram buscar o exame da doença após participarem de festas de fim de ano.

*Estagiárias sob supervisão de Odail Figueiredo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE