COVID-19

Pedido de uso emergencial da Sputnik V não atinge requisitos mínimos, diz Anvisa

De acordo com a agência, os documentos sobre o imunizante foram restituídos à União Química. Laboratório não atendeu a todas as exigências da Anvisa

Augusto Fernandes
postado em 16/01/2021 21:14 / atualizado em 16/01/2021 21:40
 (crédito: Divulgação/AFP)
(crédito: Divulgação/AFP)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devolveu à União Química o pedido para uso emergencial no Brasil da vacina contra a covid-19 Sputnik V. De acordo com o órgão regulador, a documentação referente ao imunizante foi enviada de volta ao laboratório "por não apresentarem requisitos mínimos para submissão e análise".

"O pedido foi restituído à empresa por não atender os critérios mínimos, especialmente pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos fase 3, a condução em andamento no país e questões relativas às boas práticas de fabricação", informou a Anvisa, neste sábado (16/1).

A União Química pediu autorização em dezembro do ano passado para conduzir a fase 3 de testes da Sputnik V no Brasil, mas não apresentou todos os dados exigidos pela agência. Segundo a Anvisa, "não basta o pedido de autorização de estudo clínico de fase 3 estar protocolado para pedir uso emergencial" e "é necessário que tais estudos estejam em andamento no país, além de outras medidas condicionantes já previstas".

"Um pedido de autorização de uso emergencial para a Anvisa deve incluir estratégias que serão implementadas pela requerente de forma a garantir que os ensaios clínicos em andamento da vacina sejam capazes de avaliar a segurança e a eficácia a longo prazo", frisou a autarquia.

A Anvisa declarou que, em 4 de janeiro, avisou a União Química sobre a necessidade de envio de informações essenciais para poder aprovar a condução dos ensaios clínicos de fase. O laboratório ainda não se manifestou, segundo a Anvisa.

"No dia 6/1/2021, a empresa respondeu que 'tão logo consiga cumprir com a exigência farei os apontamentos para tornar a análise mais célere'. Até o momento, a Anvisa aguarda o cumprimento de exigência pela empresa para concluir a análise do pedido de estudo", detalhou a Anvisa.

Até a publicação desta reportagem, a União Química não havia se posicionado. Recentemente, o laboratório fez um acordo com o Fundo Soberano da Rússia para adquirir, neste ano, 150 milhões de doses da Sputnik V. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE