PEC EMERGENCIAL

Forças de segurança do DF protestam contra medidas impostas pela PEC emergencial

Congelamento de salário e impedimento da contratação de novos funcionários são algumas das ações previstas na proposta das categorias. Carreata das entidades civis de segurança que compõem a União dos Policiais do Brasil (UPB) teve início no estacionanmento do Mané Garrincha, seguindo até a Esplanada, nesta quarta-feira (17/3)

Pedro Ícaro*
postado em 17/03/2021 16:57 / atualizado em 18/03/2021 09:54
 (crédito:  FenaPRF/Divulgação)
(crédito: FenaPRF/Divulgação)

A União dos Policiais do Brasil (UPB), que representa entidades de policiais de vários segmentos do país e é formada por ao menos 24 instituições da área de segurança pública, protestou em Brasília nesta quarta-feira (17/3) contra a PEC Emergencial que, em um de seus pontos, congela salários de servidores e proíbe a contratação de novos funcionários. A carreata ocupou o estacionamento do estádio Mané Garrincha, na capital federal, seguindo até a Esplanada dos Ministérios. A mobilização abre caminho para ato público marcado para a próxima segunda-feira (22), com servidores das categorias de todos os estados em cada uma das unidades de trabalho.

Outro ponto reivindicado pelas corporações é a desvalorização das categorias, principalmente por estarem trabalhando durante a pandemia, na linha de frente, com ações de combate à covid-19. Segundo a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), entre setembro e dezembro de 2020, o total de mortos pelo vírus dentro da PF teve um salto de 65%.

“O governo precisa tratar bem aqueles que estão garantindo a segurança e a ordem durante esse período de pandemia, nos priorizando na vacinação diante dos grandes índices de contaminação aos quais estamos submetidos”, explica o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária (ADPJ), Rafael Sampaio.

As forças de segurança afirmam estarem decepcionadas com o presidente Jair Bolsonaro, que poupou somente as progressões e promoções de carreira na PEC emergencial.

“A eleição do presidente Jair Bolsonaro gerou uma expectativa dentre os profissionais de segurança pública, achávamos que a categoria seria mais valorizada visto todo o trabalho que desenvolvemos. Atualmente, estamos frustrados diante das sucessivas perdas de direitos. Um exemplo é a reforma da Previdência, somente o regime especial de Previdência para os militares foi preservado”, relata o vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais, Marcelo Azevedo.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE