Pandemia

Fiocruz alerta para interrupção na queda de casos da covid-19 em nove capitais

Mesmo com balanços diários mostrando diminuição de casos confirmados, o novo Boletim InfoGripe observa indícios de que a descida da curva está se estabilizando em altos patamares, muito mais elevados do que nos picos da primeira onda da covid-19

Bruna Lima
postado em 23/04/2021 13:06

Os balanços diários da covid-19 divulgados pelo Ministério da Saúde indicam que o Brasil encerrará a semana epidemiológica 16 seguindo o ritmo de queda observado desde a semana anterior. No entanto, devido ao represamento dos números, os indicadores não refletem a situação atual e, sem a continuidade dos cuidados para manter o declínio da curva, a tendência é de que haja interrupção do processo. Já é o que acontece em sete estados brasileiros, que dão indícios de que as quedas não estão mais acontecendo e que as atualizações podem estagnar em valores muito superiores aos picos da primeira onda, em 2020.

No novo Boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), os pesquisadores alertam para a interrupção da tendência de diminuição da curva no Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Roraima. Nas capitais, o mesmo indício é observado em Boa Vista, Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre, Macapá, Manaus, Natal e Teresina, situação já apontada no boletim anterior. Agora, Curitiba entra para este rol.

Na avaliação do coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, o levantamento acendeu um alerta. "Causa grande preocupação esses estados e capitais apresentarem uma interrupção na queda estando em valores muito altos. O simples fato de parar de estabilizar não garante tranquilidade". O ritmo é atribuído às flexibilizações que, aos poucos, têm contribuído para aumentar a mobilidade social, principal fator que, na avaliação de especialistas, contribui para a transmissão da covid-19. "Enquanto não se chegar a um valor baixo não se poderia falar em retomada", alerta Gomes.

Das outras 23 unidades federativas, apenas o Maranhão não está com sinais de queda, mas de platô (estabilização) em altos patamares. Mas, caso haja uma liberação de atividades descoordenada, sem considerar os indicadores, a tendência é de que os ritmos de declínio se estabilizem nas alturas, com números muito mais dramáticos do que em 2020, testando diariamente a capacidade dos hospitais, sem alívio ao sistema de saúde e, como consequência, diminuindo a capacidade de um bom e adequado atendimento aos novos pacientes.

"É recomendável cautela quanto a eventuais relaxamentos das medidas de distanciamento enquanto a redução não for suficiente para uma retomada segura às atividades", afirma Gomes, acrescentando que o tempo mínimo para se verificar uma tendência de queda é de duas semanas observando os números baixarem.

As novas análises se referem aos dados da semana epidemiológica 15, última encerrada, a partir dos casos positivos para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), em que cerca de 90% dos casos são associados à covid-19.

Outros vírus

O aumento da interação também contribui para a transmissão de outros patógenos respiratórios, como é o caso do vírus sincicial respiratório (VSR). No boletim InfoGripe, os pesquisadores alertam para o aumento de casos da doença, com cerca de 200 novos registros semanais entre 14 de fevereiro e 27 de março.

Os registros aumentaram sobretudo em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Para distinguir o VSR da covid-19 é necessário um teste laboratorial, já que ambas as doenças têm como sintomas a dor de garganta, febre e dificuldade para respirar. A VSR é mais comum em crianças e pode agravar e levar à morte.

Com informações da Fiocruz

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE