Caso Henry Borel

Jairinho e Monique são indiciados por homicídio qualificado

O inquérito será analisado pelo Ministério Público, que pode ou não prosseguir com a denúncia dos suspeitos

Jonatas Martins*
postado em 03/05/2021 18:06 / atualizado em 03/05/2021 18:10
 (crédito:  Tânia Rêgo/Agência Brasil)
(crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Após concluir o inquérito que investiga a morte do menino Henry, a Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou Monique e Jairinho por homicídio duplamente qualificado, com impossibilidade de defesa da vítima, e tortura. Agora, o inquérito será analisado pelo Ministério Público, que pode ou não prosseguir com a denúncia oficial dos suspeitos.

As investigações apontam que o garoto Henry Borel, de 4 anos, morreu após ser agredido pelo padrasto, o vereador Jairinho, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. A Polícia Civil do Rio afirmou que o menino sofria agressões periódicas por parte de Jairinho.

Segundo policiais, mensagens registradas num celular mostram que a babá contou sobre as agressões à Monique, que teria mentido em depoimento à polícia. O casal está preso desde 8 de abril.

Uma nova versão da mãe, Monique Medeiros, acusa o parceiro de tê-la dopado durante a noite do crime. Ela relata que Henry chorava bastante, mas, por insistência dela, entrou em casa e logo quis dormir. O menino teria pedido à mãe para dormir no quarto dela, pois segundo ele, o homem não brigava quando estavam juntos. Depois, de acordo com a versão da professora, o vereador teria dado remédios a ela.

Jairinho também foi indiciado por outro caso de tortura contra a filha de uma ex-namorada. Na última terça-feira (27), a Mesa Diretora da Câmara Municipal do Rio de Janeiro manifestou parecer favorável ao processo de cassação do vereador.

* Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE