HORROR

Mãe é condenada a 28 anos de prisão por matar filho de 2 anos por ciúme do pai

Jovem de 20 anos tinha histórico de agressões da criança por ciúmes do pai da vítima, que a abandonou para ficar com outra

» Gabriel Ronan
postado em 10/06/2021 19:55 / atualizado em 10/06/2021 19:57
 (crédito: Reprodução/Polícia Civil MG )
(crédito: Reprodução/Polícia Civil MG )

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou Vanessa Dias de Oliveira, de 20 anos, a 28 anos de prisão nessa quarta (9/6). Ela matou, em 20 de fevereiro do ano passado, o próprio filho, de apenas 2, com golpes na barriga. As agressões romperam o intestino da criança e aconteceram em Montes Claros, no Norte do estado. 

A condenação é por homicídio triplamente qualificado: motivo fútil, emprego de meio cruel e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima.

O motivo fútil listado na sentença ficou comprovado durante as investigações da Polícia Civil. À época da prisão dela, o delegado Bruno Rezende afirmou que a jovem tinha ciúmes do pai da criança, que a largou para ficar com outra.

Por isso, a mulher descontava no pequeno a raiva. No dia do enterro da criança, ela saiu para consumir bebidas alcoólicas, o que causou revolta da população do distrito de Caçarema, em Capitão Enéas, também no Norte de Minas.

“Isso gerou raiva e até o começo de uma tentativa de linchamento da suspeita por parte dos moradores da comunidade”, disse o delegado de Homicídios de Montes Claros à época do crime.

A criança sofreu por alguns dias em casa antes de ser socorrida ao hospital. Porém, não sobreviveu aos ferimentos.

Durante a convivência com a mãe, o menino chegou a ser colocado de castigo de joelhos no terreiro da casa onde morava durante a madrugada. Tudo isso porque chorava diante dos maus-tratos.

“Ela agiu por motivo torpe, consistente na evidente raiva, asco e desprezo que sentia em relação à existência da criança, fato que a fazia agredir o menor quando ele chorava, quando ele fazia suas necessidades ou até quando ele sentia ciúmes do pai”, diz trecho da denúncia apresentada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE