Luto

Bispo mais idoso do Brasil morre aos 101 anos em Juiz de Fora

Dom Antônio Affonso de Miranda estava internado após passar por uma cirurgia para a reconstrução do fêmur fraturado depois de uma queda

Mariana Costa* - Estado de Minas
postado em 11/10/2021 18:11 / atualizado em 11/10/2021 18:11
Dom Antônio Affonso de Miranda era bispo emérito da Diocese de Taubaté, interior de São Paulo -  (crédito:  Dom Antônio/Arquivo pessoal)
Dom Antônio Affonso de Miranda era bispo emérito da Diocese de Taubaté, interior de São Paulo - (crédito: Dom Antônio/Arquivo pessoal)

Morreu em Minas Gerais, na manhã desta segunda-feira (11/10), Dom Antônio Affonso de Miranda, bispo emérito de Taubaté, cidade do interior de São Paulo. Aos 101 anos de idade, ele era o bispo mais idoso do Brasil e estava internado em um hospital de Juiz de Fora, na Zona da Mata.

A informação foi dada pela diocese de Taubaté, em nota oficial. “Rezemos por Dom Antônio, agradecendo a Deus por sua vida e dedicação à Igreja, especialmente à nossa Diocese.” O sepultamento será nesta terça-feira (12/10), no município de Mercês, também na Zona da Mata.

De acordo com a assessoria do bispo, Dom Antônio viveu de forma saudável e lúcida até os 100 anos de idade. Porém, em novembro do ano passado, ele sofreu uma queda, foi socorrido e internado no Hospital Albert Sabin, em Juiz de Fora, onde passou por uma cirurgia para reconstrução do fêmur fraturado.

Dom Antônio teve uma rápida recuperação, recebeu alta e voltou para casa, em Mercês. Mas, depois de 10 dias, ele se sentiu mal e foi internado novamente. Como seu estado de saúde inspirava cuidados, o bispo foi internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Desde então, o estado de saúde piorou.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu nota para manifestar seu pesar pela morte de Dom Antônio.

“Agradecemos a Deus a contribuição que o bispo deu à Igreja no Brasil, à congregação Sacramentinos de Nossa Senhora, especialmente às dioceses de Lorena e Taubaté, ambas em São Paulo, e à Comunidade Canção Nova, servindo-lhes como um farol a apontar caminhos e horizontes pastorais”, diz um trecho.

A CNBB ainda lembra a contribuição do bispo para a Igreja.

“Respeitado pregador, grande administrador e incentivador das pastorais e movimentos leigos, dom Antônio também é reconhecido como um intelectual renomado, admirado pelo episcopado brasileiro. Escritor refinado, produziu mais de 40 livros sobre vários assuntos, que incluem Teologia, Mariologia, Catequese, Formação Moral, Pastoral e até um de poemas.”

Trajetória

Dom Antônio nasceu na cidade mineira de Cipotânea, em 14 de abril de 1920. Cursou Humanidade e Filosofia no Seminário Apostólico de Manhumirim de 1933 a 1941. Em 1942, entrou no curso de Teologia no Seminário Central de Belo Horizonte. Sua ordenação sacerdotal aconteceu em 1º de novembro de 1945, na capital mineira

De 1946 a 1949, foi diretor e professor de Latim do Seminário Apostólico de Manhumirim. Por dois períodos foi pároco em Dores do Indaiá, de 1949 a 1952 e de 1961 a 1971. Na mesma época, exerceu também a função de diretor do Seminário São Rafael.

Em 1952, assumiu como Superior Geral da Congregação dos Missionários de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento em Manhumirim, onde ficou até 1961. De 1965 a 1970, cursou Direito na Universidade Federal do Espírito Santo (ES). Ele ainda fez licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia de São João del Rei de 1970 a 1971.

Em dezembro de 1971, recebeu a Sagração Episcopal em Mercês, assumindo a diocese de Lorena, no interior de São Paulo, em 1972 até 1977. Nessa época, Dom Antônio ajudou na criação da Comunidade Canção Nova.

Foi bispo Administrador Apostólico de Campanha, no interior de Minas, de 1977 a 1981 e em setembro de 1981 foi eleito o quinto bispo da Diocese de Taubaté onde permaneceu até 1996. Neste ano, teve aceito seu pedido de renúncia em razão da idade compulsória de 75 anos.

Bispo emérito

Entre 17 de agosto de 1996 e 27 de maio de 2019, morou em Taubaté, na companhia de seu sucessor, Dom Carmo João Rhoden, SCJ. Há pouco mais de ano e meio, sem condições de exercer satisfatoriamente o ministério, decidiu se transferir para Mercês, onde morava com suas irmãs, Maria José e Maria Therezinha.

No ano passado, celebrou com seus familiares o centenário de nascimento, com o lançamento de sua biografia, intitulada “Dom Antônio Affonso de Miranda, SDN – Crônica do menino que virou bispo”, escrita pelo jornalista Henrique Faria.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE