Minas Gerais

'Macaca': motoristas acusam omissão de PMs em flagrante de injúria racial

Motorista de aplicativo denuncia policial que o teria agredido durante uma corrida, e mulher do militar teria cometido injúria racial contra outra condutora

Bruno Luis Barros - Especial para o EM
postado em 13/10/2021 11:07
 (crédito: Arquivo pessoal)
(crédito: Arquivo pessoal)

O que era inicialmente uma ocorrência de agressão, envolvendo um motorista de aplicativo e um policial militar, acabou se transformando em uma denúncia de omissão de PMs diante de um suposto flagrante de injúria racial. O motorista de aplicativo Michael Braga Machado, de 45 anos, conta que foi agredido fisicamente por um policial militar, com quem teve um desentendimento durante uma corrida em Juiz de Fora, na Zona da Mata.

No curso dos acontecimentos, a mulher do policial envolvido no caso ainda teria chamado uma colega de trabalho de Michael de "macaca" – fato que, conforme o denunciante, ocorreu na presença das autoridades, sem nenhum tipo de ação imediata dos policiais diante do crime. Os casos foram registrados em dois boletins de ocorrência no último domingo (10/10), e ninguém foi preso.

A reportagem do Estado de Minas entrou em contato com o major Ricardo Schafer, chefe da assessoria de comunicação da 4ª Região da Polícia Militar. Os relatos, obtidos em entrevistas realizadas com as vítimas, foram apresentados na íntegra à PM, que optou por não se pronunciar.

Conforme o boletim de ocorrência, Michael disse que pegou um homem e uma mulher na Avenida Sete de Setembro, na região Central da cidade, por volta das 21h30. Durante o percurso, o casal iniciou uma discussão e, com um copo de vidro na mão, o autor começou a bater no banco do carro. O motorista, então, pediu que ele parasse, pois o veículo poderia ficar danificado.

Logo, o suposto autor xingou a vítima e ordenou que ele parasse o carro – o que foi atendido por Michael. Ainda conforme o registro oficial da PM, o homem entrou em luta corporal com o motorista, deu um soco em seu rosto e chutou a porta traseira do carro, que ficou amassada. Ele também teria quebrado um dos retrovisores do automóvel.

“Eu só consegui sair daquela situação porque pessoas que passavam pelo local seguraram o agressor. Daí, eu entrei no carro novamente e dirigi até chegar a um posto de gasolina. Foi ali que acionei a PM e também o apoio dos meus colegas de trabalho”, explica Michael durante entrevista à reportagem.

Segundo a ocorrência registrada pela PM, a viatura policial realizou o rastreamento na tentativa de localizar o suspeito, contudo não obteve êxito. “A única forma, segundo eles [os policiais] seria entrar em contato com a plataforma do aplicativo e acionar a Justiça. Existe uma grande possibilidade de terem dito que não o localizaram pelo fato dele ser PM. Provavelmente, eles pensaram que nós também não encontraríamos o agressor”, opina Michael.

Abordagem agressiva da PM

Diante do exposto pela autoridade policial, a vítima e cerca de 10 colegas de profissão decidiram ir até o endereço do agressor – que foi descoberto por meio do aplicativo de corrida. “Ao chegar lá, nós fizemos contato com a PM de novo e informamos que tínhamos encontrado o local onde ele mora. Aí, cerca de oito viaturas chegaram lá. Quando questionamos o motivo de tantas viaturas, descobrimos que o agressor era policial militar.”

“Quem for vítima, permanece. Quem não for, mete o pé! Agora! Quero que saiam daqui agora!”. Assim teria sido – conforme Michael – a abordagem inicial da PM ao visualizar o grupo na rua, próximo à residência do casal. “E assim foi feito. Nossos colegas de trabalho saíram de lá”.

Injúria racial antes e depois da chegada da PM, apontam vítimas

A motorista de aplicativo Ada de Souza Bastos, de 42 anos, foi uma das colegas de profissão que, em apoio a Michael, esteve no endereço onde reside o casal. “Diante da nossa movimentação na rua, ela [referindo-se à esposa do suspeito] apareceu na janela e disse: ‘Não acredito que vocês vieram aqui!’. Então eu respondi: ‘Nós viemos para você responder pelo ocorrido’. Aí, ela começou as injúrias”, explica Ada, também em entrevista à reportagem, destacando que a mulher teria exclamado: “Sua macaca. Sai da porta da minha casa”.

“Ela também agrediu verbalmente os outros motoristas. O companheiro dela não apareceu em nenhum momento porque ele é militar. Quando a polícia chegou lá, ela saiu da residência”, conta a motorista. Segundo ela, a injúria aconteceu novamente na frente das autoridades.

“Na presença da polícia, eu falei pra ela: ‘Você me desrespeitou’. Aí, ela respondeu: ‘Chamando você de macaca? Não, você é uma macaca’. Ela falou isso na frente de todos os policiais, que não fizeram nada. O companheiro dela é amigo deles; é da polícia. Então, ficou por isso mesmo.”

Michael disse que testemunhou o crime. “A Ada contou para eles que sofreu a injúria, e a mulher novamente, na frente dos policiais, confirmou o que tinha falado e falou novamente”.

Por outro lado, a Polícia Militar diz no registro da ocorrência que a mulher do policial negou o crime de injúria.

Ainda conforme o documento oficial da PM, a suspeita disse “que muitas pessoas estavam batendo em seu portão, várias com bastões de madeira e acionando a campainha de sua casa”. Além disso, o grupo estaria “gritando para ela descer, dizendo que ela iria ver o que lhe aconteceria” – o que a teria deixado “com sua integridade física e psicológica ameaçadas”.

À reportagem, Ada e Michael negaram a acusação. “Não agredimos ela de nenhuma forma. Ela que se mostrou muito agressiva com todos nós”, reforça a motorista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE