Goiás

Bebê entra sozinha na piscina e é salva depois que irmão avisa o pai

Menina de 1 ano e 4 meses começou a se afogar depois de entrar na piscina em casa, em Matrinchã, interior de Goiás; veja o vídeo

Thays Martins
postado em 29/10/2021 12:00 / atualizado em 29/10/2021 17:21
 (crédito: arquivo pessoal )
(crédito: arquivo pessoal )

Uma bebê de 1 ano e quatro meses quase se afogou na piscina de casa em Matrinchã, a 250km de Goiânia. Bella Araújo entrou na piscina sozinha enquanto o pai dormia em uma rede. A sorte foi que o irmão da pequena, Miguel, de apenas 5 anos, viu e chamou o pai. O acidente aconteceu em 12 de setembro e viralizou depois que a mãe, Karlla Lohara, postou o vídeo da câmara de segurança nas redes sociais. 

Ao Correio, Karlla explicou que nunca imaginou que o vídeo teria tanta repercussão. A publicação teve como intuito fazer um alerta para os perigos da piscina, porém, os pais acabaram recebendo muitas mensagens de apoio e também críticas. Os usuários acusaram a família de negligência. "Vieram muitos comentários maldosos e positivos. No início, eu tentava justificar, mas depois vi que as pessoas só veem o que elas querem ver. Tem coisas que machuca, mas eu apago muito rápido, nada que abala meu psicológico", destaca. 

No vídeo, é possível ver a bebê andando em direção a piscina e depois entrando dentro dela. Nesse momento, ela começa a se afogar. Na sequência, o irmão grita o pai que pula dentro d'água e salva a criança. 

Karlla Lohara explicou que a piscina sempre fica com uma lona, porém, nesse dia ela tinha acabado de ser usada pela família quando começou a chover. A mãe então foi trocar a bebê no quarto e o pai deitou na rede enquanto esperava a chuva passar. Depois que foi trocada, a menina voltou para a área de lazer. De acordo com a mãe, tem uma porta que impede a passagem da casa para a área, porém, ela estava aberta porque o filho mais velho tinha passado por ali. "O pai acreditava que a porta estava fechada e eu achava que ele estava alerta", lembra. 

Depois que o vídeo viralizou, Karlla recebeu muitas mensagens questionando porquê os pais não colocavam ela na natação, mas, de acordo com ela, na cidade não tem professores para bebês. Mas com a repercussão uma professora entrou em contato com ela e a menina já começou a fazer as aulas por videoconferência. "Todo cuidado é pouco. Se deixar com alguém, tem que verificar se a pessoa está de olho. A gente não consegue ser 100%, mas temos que ficar de olho, porque eles são muito rápidos", destaca. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE