Adoção

Trigêmeos perdem mãe, pai, avó e tia em seis meses e tio adota crianças

"Parece que minha ficha não caiu ainda, mas eu preciso ser forte para eles, por eles", desabafou o tio das crianças

Correio Braziliense
postado em 11/11/2021 15:50
 (crédito: Reprodução)
(crédito: Reprodução)

Na última terça-feira (9/11), comemorou-se o Dia Mundial da Adoção e, para os trigêmeos Pedro, Paulo e Felipe Ferreira, o dia agora tem um novo significado. Em apenas seis meses, tragicamente, os irmãos perderam o pai em um acidente de moto e a mãe, tia e avó para a covid-19. Os irmãos foram adotados pelo tio. 

Dona Valentina, que era a avó dos trigêmeos, tinha 66 anos e foi a primeira a ser internada na Santa Casa de Votuporanga (SP) no início de março, quando foi diagnosticada com o coronavírus. Ela e suas duas filhas, Ana Paula, mãe dos trigêmeos, de 37 anos e Karina de 33 anos, haviam sido contaminadas.

Karina foi a primeira a não resistir às complicações da doença e morreu no dia 13 de março. Três dias depois, Ana Paula também não resistiu. A última a vir a óbito foi Valentina, que morreu uma semana depois das filhas.

Como parente mais próximo, Douglas do Amaral de 26 anos, irmão e filho das mulheres, ficou responsável pelos três sobrinhos. Ele e a esposa trabalham juntos em uma lanchonete na cidade Votuporanga-SP e têm juntos uma menina de um ano.

Porém, com a chegada dos trigêmeos, a família passou por dificuldades financeiras e, por isso, eles criaram uma vaquinha virtual para ajudá-los nas despesas. A arrecadação já foi encerrada, foram angariados mais de R$ 239 mil. 

"As crianças ainda não têm muita noção do que realmente aconteceu. Eles sabem que a mãe, a tia, a avó e o pai viraram estrelinhas, mas eles acham que um dia eles vão voltar", Douglas contou. Ana Paula, mãe dos trigêmeos e irmã de Douglas tinha também um filho de 18 anos, de um relacionamento anterior. 

O tio conseguiu pegar a guarda definitiva dos meninos, e logo mais as crianças se mudarão para a casa dele. O dinheiro arrecadado na vaquinha foi destinado para o sustento da família e também para adaptar a casa para receber as crianças. "Eu não posso nem chorar, parece que minha ficha não caiu ainda, mas eu preciso ser forte para eles, por eles”, desabafou". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE