Pandemia

Covid-19: estudo mostra que mais de 80% dos pais querem vacinar os filhos

Dados de um levantamento do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira, da Fiocruz, apontam hesitação de 16,4% de pais de crianças entre 0 e 4 anos, 14,9% de pais de adolescentes e 12,8% de pais de crianças entre 5 e 11 anos

Gabriela Bernardes*
postado em 17/01/2022 18:27 / atualizado em 17/01/2022 18:27
 (crédito: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

Mais de 80% dos pais querem vacinar os filhos contra a covid-19. É o que revela o estudo VacinaKids, promovido pelo Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) e divulgado nesta segunda-feira (17/1).

Segundo o Instituto, o questionário on-line teve como objetivo avaliar a intenção de pais ou responsáveis por crianças e adolescentes em vaciná-los para a prevenção do novo coronavírus a fim de compreender o posicionamento e motivações que permeiam essa tomada de decisão.

A pesquisa contou com 15.297 participantes de todo o Brasil: cerca de 70,55%, da região Sudeste; 11,13%, região Sul; 8,27%, região Nordeste; 7,6%, região Centro-Oeste; e 2,4%, região Norte.

Os dados apontam hesitação de 16,4% de pais de crianças entre 0 e 4 anos, 14,9% de pais de adolescentes e 12,8% de pais de crianças entre 5 e 11 anos. "Trazer a vacinação desse grupo contra a Covid-19 é uma oportunidade para conter o vírus, fortalecer a imunidade coletiva, aumentar a segurança do retorno escolar presencial e, o mais importante, proteger as crianças e adolescentes", destaca a coordenadora do estudo, a pediatra e pesquisadora clínica do IFF/Fiocruz, Daniella Moore.

Embora os pais hesitantes sejam minoria, a pesquisadora esclarece que algumas crenças e pensamentos foram vistos associados com alto percentual de dúvida entre aqueles que: afirmam terem muito medo de reações adversas à vacina; subestimam a gravidade da pandemia; acreditam que quem teve covid-19 não precisa vacinar; discordam que a vacina tornaria o retorno escolar mais seguro; acreditam que a imunidade natural é uma opção melhor de proteção do que a vacina; acreditam que a vacina precisa de mais tempo para ser considerada segura; acreditam que as crianças/adolescentes não têm nenhuma chance de ficar grave se contrair a covid-19; preferem usar produtos naturais para aumentar a imunidade do que vacinar; acreditam que a vacina possa ter efeitos adversos a longo prazo; e acreditam que a vacina para prevenção da covid-19 é mais segura para adultos do que para crianças.

Vacina segura

O estudo destaca que, para a avaliação da ampliação da faixa etária dessa vacina, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) contou com a consulta e o acompanhamento de um grupo de especialistas que atuam no dia a dia com crianças e imunização. A vacina foi considerada segura, imunogênica (capaz de produzir defesas) e eficaz na fase 3 para a faixa etária de 5-11 anos. Essa segurança foi confirmada por um relatório do Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos baseado na experiência da aplicação de 8,7 milhões de doses de vacinas nessa faixa etária.

“É importante ressaltar que a vacina infantil tem dosagem e composição diferentes da utilizada para os maiores de 12 anos. A formulação da vacina para crianças será aplicada em duas doses de 0,2 mL (equivalente a 10 microgramas), para os maiores de 12 anos, a vacina é aplicada em doses de 0,3 mL. O frasco do imunizante também possui uma cor diferente: laranja, para crianças de 5 a 11 anos, e roxo, para os maiores de 12 anos”, explica Daniella.

A pesquisadora destaca ainda os dados do relatório sobre a segurança da vacina em crianças de 5 a 11 anos, divulgado pelo CDC, que pode ajudar a superar o medo de reações adversas encontrado entre alguns pais hesitantes.

“O relatório mostra que aproximadamente 8,7 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech Covid-19 foi administrada em crianças nessa faixa etária durante o período de 3 de novembro a 19 de dezembro de 2021. Desses 8,7 milhões de doses, foram notificados 4.249 eventos adversos, o que representa apenas 0,049% das doses aplicadas. A grande maioria (97,6%) dos efeitos notificados foi leve a moderado, como dor no local da injeção, fadiga ou dor de cabeça. Ou seja, a vacina é, de fato, segura e os dados comprovam a sua segurança, mostrando, na sua maioria, efeitos adversos que mães e pais já têm experiência em lidar com outras vacinas do calendário vacinal", conta.

Medo da ocorrência de miocardite

No levantamento, alguns pais reportaram medo da ocorrência de miocardite (inflamação do músculo cardíaco) como efeito colateral da vacina. “É fundamental compreender que a ocorrência de miocardite é uma das manifestações observadas de Covid-19 na infância, especialmente quando esta se manifesta como Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P). Com relação a ocorrência de miocardite pós-vacinal, a experiência de vacinação nos Estados Unidos mostra que este é um evento raríssimo e que quando ocorre tende a ter uma evolução satisfatória. No relatório do CDC - EUA foram observados apenas 11 casos de miocardite em 8,7 milhões de doses aplicadas da vacina na faixa etária de 5 a 11 anos nos Estados Unidos, todos com evolução favorável”, esclarece a pesquisadora.

“Alguns pais subestimam a gravidade da doença em crianças. No entanto, apesar de a Covid-19 ser considerada menos grave em crianças quando comparada a adultos, elas ainda assim ficam doentes, podem ficar graves e ter evoluções desfavoráveis”, alerta Daniella.

Em dezembro de 2021, a Fiocruz divulgou uma nota técnica que ratifica e enfatiza a importância da vacinação contra o coronavírus em crianças. A nota informa que, no Brasil, até a Semana Epidemiológica 48, em 4 de dezembro de 2021, foram hospitalizados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), confirmados por covid-19, 19,9 mil casos abaixo de 19 anos. Na faixa etária de menores de 1 ano, foram notificados 5.126 casos, de 1 a 5 anos, 5.378 casos e, de 6 a 19 anos, 9.396 casos. Em relação aos óbitos, foram notificados 1.422 óbitos por SRAG confirmados por covid-19, 418 em menores de 1 ano, 208 de 1 a 5 anos e 796 de 6 a 19 anos.

Ferramenta fundamental

Diante desse cenário, a Fiocruz mostra que as vacinas são a melhor forma de evitar mortes e sequelas graves decorrentes das doenças imunopreviníveis. Portanto, a vacinação de crianças e adolescentes, pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), é uma ferramenta fundamental para o controle da pandemia.

Assim como a Fiocruz, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) também divulgou, no mesmo dia, a seguinte nota de alerta: Vacinas Covid-19 em crianças no Brasil — uma questão prioritária de saúde pública. O documento ressalta que "a presença de uma variante como a ômicron, com maior transmissibilidade, mesmo se comprovada sua menor gravidade, torna grupos não vacinados (como crianças menores de 12 anos) mais vulneráveis ao risco da infecção e suas complicações, conforme vem sendo observado em outros países com presença desta variante. Neste contexto epidemiológico, estamos convencidos que ampliar o benefícios da vacinação a este grupo etário é, sim, uma prioridade".

Fake News

A disseminação de notícias falsas (fake news) contribui para a hesitação vacinal infantil, por isso, as questões precisam ser analisadas e devidamente esclarecidas. “Compreender esses dados é fundamental para a elaboração de estratégias que aumentem a adesão e contribuam para que possamos atingir a imunidade coletiva e, desta forma, superar a pandemia”, finaliza a pesquisadora.

*Estagiária sob a supervisão de Andreia Castro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE