Pandemia

"Queiroga Mentiroso" se torna um dos assuntos mais comentados do Twitter; entenda

Internautas criticam o ministro da Saúde após ele dizer que 4 mil pessoas morreram por conta da vacina

Aline Brito
postado em 18/01/2022 22:06 / atualizado em 18/01/2022 22:06
 (crédito: Foto: Walterson Rosa/MS)
(crédito: Foto: Walterson Rosa/MS)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse, nesta segunda-feira (17/1), em entrevista à Jovem Pan, que existem 4 mil mortes comprovadamente relacionadas à vacinação contra a covid-19. Entretanto, os dados oficiais da pasta apontam 11 óbitos ligados aos imunizantes contra o vírus. Após ser pressionado, Queiroga assumiu que repassou informação errada.

O boletim epidemiológico publicado no fim de novembro do ano passado, 2021, aponta que 11 pessoas morreram por complicações decorrentes dos efeitos colaterais da vacina até aquele momento. De acordo com informações apuradas pelo jornal Folha de S. Paulo, o Ministério da Saúde considera que 13 estão associadas à vacinação, em um universo de 320 milhões de vacinas aplicadas.

Depois de ser questionado pela Folha, o ministro foi ao Twitter para atacar o jornal. “A Folha/Uol distorce a realidade e faz jogo de palavras a partir de uma fala minha para desinformar”, alegou. Apesar de ter insistido que foram notificados 3.934 óbitos relacionados à vacinação, Queiroga esclareceu a afirmativa e disse que esses são números em investigação e que, na verdade, “pelos dados do MS, apenas 13 casos tiveram relação direta comprovada com a vacina contra a COVID-19”.

Após o erro, os internautas foram ao Twitter para criticar o ministro. A tag “Queiroga Mentiroso” se tornou o segundo assunto mais comentado no momento. “Queiroga mentiroso, o pior ministro da Saúde da história, conseguiu ser pior que o pazuzu (em referência ao ex-ministro Eduardo Pazuello”), disse uma das usuárias da rede do passarinho.

Veja a repercussão:

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE