Covid-19

Queiroga admite pressão no sistema de saúde: "Ômicron não deve ser menosprezada"

Ministro da Saúde acredita, no entanto, que o impacto da nova cepa no Brasil será semelhante ao de países da Europa, onde os casos explodiram, mas não houve incremento forte de óbitos

Maria Eduarda Cardim
postado em 27/01/2022 16:18 / atualizado em 27/01/2022 16:18
 (crédito: Myke Sena/Ministério da Saúde)
(crédito: Myke Sena/Ministério da Saúde)

Em meio ao aumento de casos da covid-19 e também da taxa de ocupação de leitos de UTI por pacientes infectados, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a variante ômicron não deve ser menosprezada e reconheceu a pressão no sistema de saúde já sofrida em diversos estados. Ele acredita, no entanto, que o impacto da nova cepa no Brasil será semelhante ao de países da Europa, onde os casos explodiram, mas não houve incremento forte de óbitos. 

As declarações foram feitas durante a 1ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite do ano de 2022, realizada nesta quinta-feira (27/1). "A variante ômicron rapidamente se disseminou no mundo inteiro e não deve ser menosprezada, apesar de sabermos que alguns casos são menos complexos do que os causados por outras variantes", afirmou no discurso de abertura da reunião. 

Para o ministro, o estágio da campanha de vacinação contra a covid-19 é o que pode ajudar o Brasil a diminuir os danos da nova cepa. "Esse perfil de vacinação faz acreditar que o impacto da ômicron no Brasil pode ser parecido com o que está acontecendo no Reino Unido, Portugal e na Espanha, onde os casos também explodiram, mas não houve incremento forte de óbitos", disse. 

Esta semana, o Brasil voltou a registrar uma média móvel de mortes por covid-19 acima de 300 óbitos. A última vez em que média móvel superou 300 óbitos foi em 1º de novembro, quando chegou a 303 perdas.

Pressão

Este patamar voltou a ser atingido depois de o país observar o aumento do número de casos de infecções confirmadas pelo novo coronavírus. O acréscimo visto desde o início do ano já pressiona sistemas de saúde e o próprio ministro reconhece isso. 

"Pressão sobre o sistema de saúde já ocorre, como nós conhecemos. Pelo menos uma dezena de estados, nós já temos leitos de terapia intensiva ocupados em um percentual superior a 70%", alertou.

Apesar de ressaltar que o momento exige cuidados, contudo, Queiroga quer por fim ao caráter pandêmico da covid-19 ainda este ano. "2022 é um ano de grandes desafios para todos nós, porque é o ano que — com a colaboração e o empenho de todos —, vamos, com a ajuda de Deus, por fim ao caráter pandêmico da covid-19. Essa é a nossa esperança", disse.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE