Petrópolis Destruída

Estados e a União enviam ajuda para Petrópolis após tragédia causada por chuvas

Governo federal anuncia liberação de R$ 2,3 milhões e envio de remédios e insumos para socorrer a população. São Paulo e Minas também remeterão recursos e pessoal a fim de ajudar nos resgates

Maria Eduarda Cardim
postado em 18/02/2022 06:00
 (crédito:  CARL DE SOUZA)
(crédito: CARL DE SOUZA)

Estados e o governo federal começam a enviar ajuda para Petrópolis (PR), a fim de tentar amenizar a tragédia provocada pelas intensas chuvas na cidade serrana — a previsão do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) é de que as tempestades continuem pelas próximas 48 horas. Até o fechamento desta edição, o número de mortos tinha chegado a 117.

As autoridades vêm evitando estimar o número de desaparecidos, uma vez que ainda há várias áreas soterradas e, com a possibilidade de novas chuvas fortes, novos deslizamentos podem ocorrer. "Estes fatores indicam um elevado nível de umidade do solo que pode favorecer a ocorrência de deslizamentos de terra mesmo na ausência de chuva" alerta o Cemaden.

Para tentar diminuir o sofrimento de desabrigados e desalojados, o Ministério de Desenvolvimento Regional anunciou a liberação de R$ 2,33 milhões para assistência à população afetada e para início dos serviços de limpeza urbana. Outros repasses estão previstos para os próximos dias.

Já o Ministério da Saúde enviou à Região Serrana do Rio de Janeiro equipes da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), da Vigilância em Saúde e da Atenção Primária à Saúde. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sobrevoou Petrópolis e lembrou que, em situações como essa, alguns problemas de saúde são enfrentados pela população — como diarreias agudas devido à contaminação da água. O ministério também enviou cerca de 500kg de medicamentos, de 32 tipos, e insumos necessários para atender a população em caso de emergência.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), garantiu que enviará, hoje, uma equipe de bombeiros com cães farejadores, um helicóptero e apoio terrestre para ajudar no resgate de vítimas e de corpos. Romeu Zema, governador de Minas Gerais — estado que sofreu recentemente com as chuvas — afirmou que se colocou à disposição para colaborar nos trabalhos e mandará equipes que trabalharam na tragédia de Brumadinho.

Da parte do governo do Rio de Janeiro, o secretário estadual de Infraestrutura e Obras, Max Lemos, se reuniu com o prefeito Rubens Bomtempo para traçar novas estratégias de atuação e ampliar os serviços a mais regiões da cidade. O governador Cláudio Castro visitou Petrópolis para ver de perto a dimensão dos estragos e disse que cederá máquinas, pessoal civil e outros equipamentos para a recuperação da cidade. Está em estudo, também, a suspensão provisória da cobrança de IPTU de moradores e comerciantes das áreas atingidas, a fim de dar algum alívio financeiro. Outros municípios fluminenses também enviaram caminhões e máquinas para ajudar na limpeza e no resgate de pessoas.

Repetição

Mas, apesar da solidariedade, se mantém a indignação com o fato de que, 11 anos depois, uma nova tragédia de grandes proporções destrói Petrópolis. Para o professor Rafael Rodrigues da Franca, coordenador do Laboratório de Climatologia Geográfica da Universidade de Brasília (UnB), é preciso observar com mais empenho os problemas de habitação que resultam em falta de infraestrutura para resistir a chuvas como essa.

"Não dava para imaginar que essa chuva cairia de forma tão concentrada em um local só. Nenhum modelo de previsão de tempo gerou essa previsão, porque eles também têm limitações. Não tem esse preparo. Vai desalojar essas pessoas para irem para onde? Elas moram ali porque precisam, porque não tem planejamento para irem para outro lugar", questionou.

Franca considera que há um despreparo generalizado no Brasil para evitar tragédias como a de Petrópolis. "(O problema) é a falta de uma política nacional de gerenciamento de risco e desastres. Essas pessoas não podiam estar ocupando aquele lugar, e elas não tinham para onde ir. A culpa é de um sistema, não delas", destacou.

Segundo o professor, em situações como a de Petrópolis, "é possível mitigar um pouco o impasse, mas não daria para evitar. O gerenciamento de risco é algo de médio a longo prazo, e não de curto. Isso demanda um esforço de larga escala e não dá pra fazer do dia pra noite. Se as prefeituras, o estado e o governo federal não prestarem atenção em eventos climáticos, situações como essa se repetirão", explicou.

O professor vai mais longe: segundo ele, "as cidades brasileiras não estão preparadas porque não se investe nem em monitoramento, equipamento ou em todo o aparato necessário para verificar essas situações".

"Nosso Estado não prioriza investir nisso, assim como não prioriza ciência e tecnologia, que não é prioridade em nenhum governo do Brasil", criticou.

CONTINUE LENDO SOBRE