Justiça

Antes tarde do que nunca: preso estuprador foragido há 29 anos

Valderico Bernardes, 63 anos, cometeu atrocidades em 1992, no Centro-Oeste de Minas Gerais

Patrick Vaz - Especial para o EM
postado em 20/05/2022 11:16
 (crédito: PMMG)
(crédito: PMMG)

O estuprador Valderico Bernardes, 63 anos, foragido da Justiça há 29 anos, foi preso nessa quarta-feira (18/5), pela Polícia Militar de Goiás em conjunto com a PMMG no município de Aporé-GO. O acusado era procurado desde o ano de 1992.

O primeiro crime aconteceu em 15 de fevereiro daquele ano, próximo de Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas. Valderico, acompanhado de dois sobrinhos, Claudionor Luis Arcanjo e Claudemar Aparecido dos Santos, em um Chevete, armados com revólveres, roubaram um casal jovem de namorados, sequestraram e estupraram a garota de 13 anos e depois a libertaram em um matagal.


Cerca de duas semanas depois, em 2 de março de 1992, Valderico, novamente acompanhado dos mesmos sobrinhos, agiram contra duas irmãs adolescentes em Iguatama, também no Centro-Oeste do Estado.

Armados com revólveres e garrucha, forçaram as jovens a entrar no veículo em que estavam. Após rodar por estradas vicinais, pararam num local ermo e as estupraram. Em seguida, amarram as vítimas em arame farpado e jogaram-nas no Rio São Francisco. Uma das irmãs, com 20 anos na época, morreu afogada, mas a outra, de 17 anos, foi socorrida com vida por um pescador local. O caso ficou ganhou grande repercussão na época "O caso das irmãs de Bambuí".

Meses depois, Valderico Bernardes e seus sobrinhos foram presos e começaram a cumprir pena em uma cadeia pública local. Mas passados alguns meses, Valderico conseguiu fugir da cadeia pública de Arcos e não mais foi encontrado.

Nos últimos meses, a Inteligência da Polícia Militar do 1º Batalhão conseguiu descobrir que o estuprador poderia estar escondido no município de Aporé-GO. Lá, ele vivia com a identidade falsa de um homem que faleceu em 2017.

Por todos os crimes cometidos, Valderico deveria cumprir mais de 100 anos de prisão, sendo 24 anos de reclusão do primeiro estupro em Divinópolis e mais de 70 anos na cadeia pelos estupros das irmãs de Bambuí. Ele ainda seria julgado por sequestro, roubo e outros crimes cometidos.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE