VIOLÊNCIA

Morte de Letícia Curado, vítima de Marinésio, completa um ano

O feminicídio da advogada de 26 anos levou à prisão do cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, 42. Ele segue preso e passará por audiência na sexta-feira

Walder Galvão
postado em 23/08/2020 06:00 / atualizado em 24/09/2020 11:36
Assassinada em 23 de agosto de 2019, Letícia deixou o marido e um filho, hoje com 4 anos -  (crédito: Arquivo Pessoal)
Assassinada em 23 de agosto de 2019, Letícia deixou o marido e um filho, hoje com 4 anos - (crédito: Arquivo Pessoal)

Há um ano, Letícia Curado, 26 anos, saía de casa para nunca mais retornar. Por volta das 7h de uma sexta-feira, a advogada deixava o bairro Arapoanga, em Planaltina, para ir ao trabalho, no Ministério da Educação (MEC), localizado na Esplanada dos Ministérios. Atrasada, ela resolveu entrar em um veículo, uma Blazer prata, conduzida pelo cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, 42, que se identificou como motorista de transporte pirata.

A ideia era chegar mais rápido ao destino. Entretanto, ela foi atacada e morta asfixiada. A partir do caso, a Polícia Civil conseguiu chegar ao assassino confesso e desvendar outros crimes cometidos por ele, como estupros, abusos sexuais e outro feminicídio. Um ano após a tragédia, famílias destruídas por Marinésio, inclusive a dele, tentam se reerguer. 

Os investigadores da 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) prenderam Marinésio em 24 de agosto do ano passado, um dia após o desaparecimento de Letícia. Imagens de segurança da região mostram o momento em que a jovem entrou no carro do cozinheiro, em frente à parada de ônibus. Na noite do dia seguinte, os agentes encontraram o carro dele em via pública e, em seu interior, objetos que pertenciam à advogada. Na segunda-feira, 26 de agosto, ele confessou o crime e ainda revelou ter matado mais uma mulher em junho, a auxiliar de cozinha Genir Pereira Sousa, 47.

Após a prisão de Marinésio e a divulgação de vídeos e fotos dele pela imprensa, outras mulheres procuraram a Polícia Civil para denunciar abusos e estupros cometidos pelo cozinheiro. Conforme o Correio apurou, atualmente, Marinésio responde processualmente pelas mortes de Letícia e Genir e por cinco crimes de violência sexual, três de Planaltina, uma de Sobradinho e outro do Paranoá.

Marinésio dos Santos Olinto usava uma Blazer prata para oferecer carona a possíveis vítimas. Segundo a polícia, os assassinatos de Letícia Curado e Genir Sousa ocorreram após elas entrarem no veículo
Marinésio dos Santos Olinto usava uma Blazer prata para oferecer carona a possíveis vítimas. Segundo a polícia, os assassinatos de Letícia Curado e Genir Sousa ocorreram após elas entrarem no veículo (foto: Reprodução Facebook/Cerrado inFoco)

Além das acusações ainda em trâmite na Justiça, o cozinheiro foi condenado, em 7 de maio deste ano, a 10 anos de prisão pelo estupro de uma jovem que, à época do crime, tinha 17 anos. A vítima foi atacada na área de Pinheiral, no Paranoá, em 1° de abril de 2019. Para abordar a jovem, Marinésio usou o mesmo modo de atuação: em um veículo pessoal, ofereceu carona. Diante da negativa, ele desceu do automóvel e, com uma faca na mão, obrigou a então adolescente a entrar no banco de trás do carro, sob ameaça de morte, seguindo para a região deserta da cidade, onde estacionou. Ele a estuprou, conforme descreve o processo. A defesa do sentenciado recorreu da decisão e o processo ainda corre na Justiça.

Apesar de ser assassino confesso de Letícia e Genir, o júri de Marinésio relacionado a esses feminicídios ainda não está marcado. Entretanto, na sexta-feira (28/8), o cozinheiro estará no Fórum de Planaltina para a audiência de três casos de abuso sexual. Em uma das acusações, ele atacou duas irmãs, de 18 e de 21 anos. O caso foi em 24 de agosto, um dia após o assassinato de Letícia Curado. As jovens tinham saído de uma festa e decidiram pegar carona com o sentenciado. Após serem assediadas, as vítimas conseguiram fugir depois de ameaçarem quebrar o veículo do agressor com uma barra de ferro. Ele responde pelo estupro da vítima mais velha e pela tentativa de abuso sexual da mais jovem

Defesa

Após ser condenado em maio deste ano, Marinésio deixou o Centro de Detenção Provisória (CDP) e foi transferido para a Penitenciário do Distrito Federal 1 (PDF1). Pela repercussão do caso, ele permaneceu isolado em uma cela. Entretanto, atualmente, divide o cárcere com outros detentos. De acordo com o advogado do cozinheiro, Marcos Venício Fernandes Aredes, o sentenciado está “tranquilo e não sofre nenhuma represália”.

De acordo com o advogado, a imagem de que Marinésio é um monstro, criada pelo púbico, não existe. “Ele confessou, para mim, que, depois que fez 41 anos, passou a ter um apetite sexual revigorado. Nunca pensou em matar ninguém, mas aconteceu e ele não consegue explicar”, afirma. Marcos ainda completa que o acusado teve problemas psicológicos e que costumava ter “apagões” quando cometia os crimes.

Marcos ainda completa que o cozinheiro não cometeu violência sexual ou qualquer tipo de estupro. “Ele não é esse monstro que as pessoas acreditam e, agora, passa por um período de desconstrução dessa imagem criada pela mídia e pela polícia”, alega.

Dor

Em entrevista ao Correio, parentes de Letícia e Genir, assassinadas por Marinésio, narraram o processo doloroso da perda. A esposa do cozinheiro, que também teve a vida dilacerada, conversou com a reportagem. Confira:

Sonho interrompido

Aos 26 anos, Letícia Sousa Curado de Melo vivia em uma fase de conquistas. Evangélica, ela havia passado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em 2018 e começou a estudar para concursos. A advogada morava em Planaltina com o marido, Kaio Fonseca Curado de Melo, 26, e com o filho de casal, hoje com 4 anos. Ela era funcionária terceirizada no MEC, onde prestava assessoria jurídica. Em fevereiro de 2019, a jovem foi aprovada no concurso público do Ministério Público da União (MPU) para o cargo de analista e aguardava ser convocada. Em junho do mesmo ano, passou no processo seletivo para estudar na Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e, em agosto, começou a frequentar as aulas do curso de pós-graduação em ordem jurídica e MPDFT, destinado a quem deseja ingressar na carreira de promotor público.

A advogada Letícia Curado, 26 anos, sonhava em ser promotora de Justiça
A advogada Letícia Curado, 26 anos, sonhava em ser promotora de Justiça (foto: Arquivo pessoal)

A paixão de Letícia pelo direito veio de berço. Ela queria seguir os passos da mãe, a também advogada e servidora pública, Kênia Sousa, 47. “Faz um ano e é como se fosse ontem. Parece que os dias não passam e são intermináveis. Ainda mais com essa questão da pandemia, com tudo paralisado. Tenho a impressão de que está andando mesmo. As coisas não se encaixam ainda e a gente fica meio perdida no que caminha para frente”, relata Kênia.

Um ano após perder a filha, a servidora pública relata que é difícil contabilizar o tempo. Em relação ao processo judicial e à falta da marcação de um julgamento, Kênia entende que a pandemia do novo coronavírus pode deixar os trâmites mais lentos. “A gente sabe que não está nos procedimentos normais. O caso da Letícia teve uma comoção social muito grande, porém, foram muitos casos com o mesmo autor. Por isso, seria necessária mais efetividade”, considera.

Kênia conta que, apesar de a filha ter seguido os passos dela na advocacia, Letícia sonhava em ser promotora. Para a servidora pública, a jovem advogada tinha uma missão maior no mundo e ter escolhido os passos da Justiça comprovam isso. “Foi por meio do caso dela que foi possível tirar uma pessoa tão má do convívio da sociedade”, lamenta. Sobre o neto, Kênia conta que ele está bem e “dividido entre amores”.

Extrovertida e brincalhona

A auxiliar de cozinha Genir Pereira de Sousa, 47, trabalhava em uma pizzaria do Paranoá. Na madrugada de 1° de junho de 2019, ela terminou o expediente e foi embora com um empregado do estabelecimento, namorado dela. Eles dormiram juntos, em Planaltina. Pela manhã, a auxiliar de cozinha foi para a casa da chefe, no bairro Arapoanga. Dali, seguiu para uma parada de ônibus, por volta das 7h40, momento em que foi abordada por Marinésio. Em 12 de junho, o corpo da mulher foi encontrado em um matagal entre Planaltina e o Paranoá, sem nenhum pertence dela.

Apenas em 26 de agosto, após revelar onde estava o corpo de Letícia Curado, Marinésio confessou ter assassinado Genir. O corpo dela foi encontrado em avançado estado de decomposição. Por isso, os investigadores não conseguiram confirmar o estupro, apenas que a morte foi provocada por estrangulamento. Há quase um ano da prisão do cozinheiro, familiares da auxiliar de cozinha ainda pedem Justiça.

Genir Pereira, 47 anos, desapareceu em 2 de junho de 2019
Genir Pereira, 47 anos, desapareceu em 2 de junho de 2019 (foto: Arquivo pessoal)

Ao Correio, Luzileide Pereira de Sousa, 37, irmã de Genir, conta que o processo até a resolução do caso foi o pior momento. “Quando descobriram que foi ele (Marinésio), senti um alívio. A gente não entendia o que tinha acontecido. Quando a Letícia morreu, a gente suspeitou porque os casos foram muito parecidos. Meu medo era de que ele passasse impune, como tantos outros agressores”, ressalta.

Luzileide define a irmã como uma pessoa animada e extrovertida, que arrancava sorrisos de quem encontrasse. “A dor e a saudade são coisas que nunca vão acabar. Estava falando dela aqui em casa momentos antes de você entrar em contato. Ela vinha todo fim de semana me visitar”, disse Luzileide, ao Correio. Genir deixou dois filhos, um homem, de 31 anos, e uma mulher, de 24.

“Enterramos ela no Piauí e o filho dela viajou para lá recentemente. Foi arrumar o túmulo da mãe”, comentou. Apesar de Marinésio seguir preso, Luzineide cobra um julgamento para ter uma resposta final sobre o caso. “A gente vive tentando se levantar a cada dia. Minha irmã era muito brincalhona e não tinha inimizade com ninguém. Uma pessoa tranquila, que deixou saudade”, define.

Família despedaçada

Os crimes cometidos por Marinésio não afetaram apenas as vítimas e as famílias delas. O cozinheiro, marido e pai de uma adolescente de 17 anos, também destruiu o próprio lar. “Estamos tentando preservar as nossas vidas.” Esta foi a frase que a então esposa do assassino confesso disse ao Correio em 28 de agosto de 2019, quatro dias após a prisão do companheiro. Com a repercussão do caso, a mulher e a filha precisaram mudar de endereço e viveram sob ameaça.

A mulher aceitou conversar mais uma vez com a reportagem, sob condição de anonimato. Atualmente, mãe e filha não vivem mais juntas. Em janeiro, ela deixou o Distrito Federal e se mudou para uma região nordestina e a adolescente passou a morar com parentes. “Quando estive em Brasília, cheguei a visitá-lo três vezes. Em todas as minhas idas à carceragem, ele me pedia desculpas, dizia para não o abandonar e para pensar nos 20 anos que vivemos juntos”, contou.

Marinésio dos Santos Olinto, 42 anos, foi preso em 24 de agosto de 2019
Marinésio dos Santos Olinto, 42 anos, foi preso em 24 de agosto de 2019 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

“Perdoei ele, sim. Não guardo mágoa dele no meu coração. A única coisa que disse para o Marinésio foi que, se ele estava lá (na prisão), é porque tinha feito algo e estava pagando por isso. A minha filha ainda diz que ele é pai dela e que não vai abandoná-lo. Não tiro a razão dela, nunca falei qualquer coisa relacionada a isso nem a impedi de fazer visitas”, admite.

Ela tem planos para voltar ao Distrito Federal. Entretanto, não sabe quando. “A nossa antiga casa ainda está à venda. Muitos queriam falar coisas para a gente, atacar, mas quem é próximo não ficou diferente comigo”, conta. Após a descoberta dos crimes cometidos por Marinésio, a mulher diz que adoeceu e que faz acompanhamento psicológico. “Não passei bem durante esse um ano, fiquei com problema de nervos e tomo remédio controlado. Foi um choque muito grande e ninguém sabia de nada”, desabafa.

A visão de Jane Klébia, delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), uma das investigadoras que participou do caso Marinésio

“Como investigadora, digo que foi um dos casos que mais me marcou em 22 anos de Polícia Civil, principalmente pela carga emocional que trouxe, pela comoção e pela forma estúpida com a qual ele matou. Eu não só investiguei, mas também sofri. Uma das vítimas que procurou a delegacia estava destruída. Quando o Marinésio apareceu, ela se desesperou.

Esses crimes sexuais sempre ferem as vítimas. Aquelas que não morrem, ficam com a alma ferida e não se curam. Uma das vítimas que atendemos tinha 17 anos na época do crime. O abuso aconteceu em abril, meses antes da descoberta da autoria. Nesse período, ela tentou suicídio pelo menos cinco vezes. A vida dela ficou destruída. O envolvimento da delegacia foi tanto que fizemos uma festa de aniversário para ela. Aproveitamos que completaria 18 anos e promovermos uma celebração de princesa.

A delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), Jane Klébia, é uma das investigadoras que participou do caso Marinésio
A delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), Jane Klébia, é uma das investigadoras que participou do caso Marinésio (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

"Esses crimes sexuais sempre ferem as vítimas. Aquelas que não morrem, ficam com a alma ferida e não se curam" Jane Klébia, delegada

Fizemos o trabalho de polícia, mas também sofremos pela vítima. São crimes muito covardes. O estupro revela a pior face do ser humano, a misoginia e o fato de querer ver o outro sofrer. Tudo isso me marcou muito. Até hoje, eu me lembro e me solidarizo com as vítimas. Algumas delas ainda encontro de alguma forma.

O que me fortalece como policial é saber que o nosso trabalho tem um resultado. Quando o Marinésio foi preso, o sentimento foi o de dever cumprido, ainda mais por amenizar o sofrimento das famílias. Esse é o lado positivo do trabalho de policial. Como sociedade, torcemos para que ele fique preso, para não fazer mal a mais ninguém.”

Linha do tempo

Cronologia do caso Marinésio:

2 de junho
A auxiliar de cozinha Genir Pereira de Sousa, 47 anos, desaparece em uma parada de ônibus em Planaltina.

12 de junho
O corpo de Genir é encontrado em um matagal entre Planaltina e o Paranoá, sem nenhum pertence.

23 de agosto
A advogada Letícia Curado, 26 anos, desaparece em uma parada de ônibus de Planaltina.

24 de agosto
Imagens do circuito de segurança mostram Letícia entrando em um automóvel em Planaltina. Os policiais encontram e prendem o cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto na região administrativa. No carro dele, são encontrados objetos da advogada.

26 de agosto
Marinésio confessa o assassinato de Letícia e leva os investigadores ao local do corpo, escondido em uma região de matagal em Planaltina. Em seguida, ele também confessa ter matado Genir.

  • A advogada Letícia Curado, 26 anos, sonhava em ser promotora de Justiça
    A advogada Letícia Curado, 26 anos, sonhava em ser promotora de Justiça Foto: Arquivo pessoal
  • Genir Pereira, 47 anos, desapareceu em 2 de junho de 2019
    Genir Pereira, 47 anos, desapareceu em 2 de junho de 2019 Foto: Arquivo pessoal
  • Marinésio dos Santos Olinto, 42 anos, foi preso em 24 de agosto de 2019
    Marinésio dos Santos Olinto, 42 anos, foi preso em 24 de agosto de 2019 Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • A delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), Jane Klébia, é uma das investigadoras que participou do caso Marinésio
    A delegada-chefe da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), Jane Klébia, é uma das investigadoras que participou do caso Marinésio Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação