Covid19

Número de sepultamentos no DF aumenta 81% em agosto

No mês passado, 1.838 pessoas foram enterradas nas cemitérios administrados pela Campo da Esperança Serviços. Dessas, 814 morreram vítimas da covid-19. Em agosto do ano passado foram 1015 enterros

Jaqueline Fonseca
postado em 02/09/2020 16:28 / atualizado em 02/09/2020 18:11
Das seis unidades administradas pela Campo da Esperança, quatro observaram aumento na quantidade de sepultamentos -  (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Das seis unidades administradas pela Campo da Esperança, quatro observaram aumento na quantidade de sepultamentos - (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

O número de sepultamentos realizados nos cemitérios do Distrito Federal aumentou 81,08% em agosto de 2020, se comparado ao mesmo período do ano passado. Em 2019, 1.015 pessoas foram enterradas em Brasília no mês, neste ano foram 1.838, sendo que 814 morreram devido à covid-19 ou eram casos suspeitos. A informação foi divulgada pela Campo da Esperança Serviços nesta quarta-feira (02/09).

O crescimento no número de enterros têm se elevado de mês a mês. Em julho, havia sido registrado o maior aumento de sepultamentos durante a pandemia, com um salto de 78,59%, em relação ao mesmo período de 2019. No mês passado, agosto, essa marca foi ultrapassada.

No começo de agosto, a taxa de isolamento registrada no Distrito Federal estava em 40,9%, segundo informou o mapa brasileiro da covid-19, da In Loco, empresa que faz o monitoramento por meio de celulares. No fim do mês a taxa caiu para 38%. 


Enterros no semestre


Nos seis primeiros meses do ano, o aumento no número de enterros foi de 4,12%. Em 2020, durante a pandemia, 6.056 mortos foram sepultados nos cemitérios do DF. No mesmo período, em 2019, foram 5.816.

Entre as seis unidades públicas da capital federal, as que mais fizeram enterros foram Ceilândia e Taguatinga, com 2.155 e 2.042, respectivamente. Já as unidades que registraram maior incremento no número de sepultamentos são Plantina, com crescimento de 21,65% ao longo do semestre, e Ceilândia, com elevação de 16,99%.

Por outro lado, duas unidades registraram redução, mesmo com os impactos da pandemia. Em Taguatinga, foram enterradas 2.088 pessoas, no primeiro semestre de 2019. Em 2020, foram 2.042. A diminuição mais expressiva aconteceu na unidade de Brazlândia, onde o número de sepultamentos caiu 26,41%.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação