Latrocínio

Suspeito de matar empresário no Itapoã é preso na Bahia

Agentes da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) chegaram ao estado na manhã desta segunda-feira (14/9) para cumprir o mandado de prisão

Caroline Cintra
postado em 14/09/2020 11:04
 (crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

Agentes da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) prenderam o suspeito de matar o dono de uma distribuidora de bebidas no Itapoã, em 2 de dezembro. O homem estava no município de Cariranhas, na Bahia, quando foi surpreendido pelos policiais.

Delegada-chefe da 6ª DP, Jane Klebia contou que, desde a data do latrocínio, o suspeito estava foragido. Na Bahia, ele vivia com uma adolescente e praticava novos crimes. A delegacia do município baiano o investigava por receptação e, durante as diligências, descobriu um mandado de prisão no Distrito Federal.

“O delegado entrou em contato com a gente, preparamos uma equipe e viemos para prendê-lo e cumprir o mandado. Conseguimos encontrá-lo. Ele ainda tentou fugir, mas pegamos”, disse Jane. A ação contou com o apoio Divisão de Operações Aéreas (DOA) da Polícia Civil.

A equipe da 6ª DP chegou no início da manhã na Bahia e se prepara para voltar ao DF. “Estamos indo hoje para apresentá-lo à Justiça do DF ainda hoje à tarde”, informou a delegada.

Relembre o crime

O dono de uma distribuidora de bebidas foi assassinado durante um assalto ao estabelecimento, por volta das 23h, de 2 de dezembro de 2019. A câmera de segurança do local registrou o momento do crime.

A vítima estava no caixa quando foi surpreendida pelo bandido. A gravação mostra que o dono da distribuidora ia em direção ao assaltante, momento em que foi alvejado. Após os disparos, o acusado pegou o dinheiro e saiu andando.

O empresário foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital Regional do Paranoá (HRP), mas chegou morto na unidade de saúde.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação