Crime

Criança de 4 anos que viu feminicídio da mãe ainda não assimilou morte

O tio da criança contou que ela acha que a mãe está no hospital, fazendo cirurgia. A menina de 4 anos assistiu ao feminicídio

Alan Rios
postado em 15/09/2020 11:43 / atualizado em 15/09/2020 13:38
Shirley Rúbia, de 39 anos, foi esfaqueada quando levava a filha ao pediatra -  (crédito: Arquivo cedido ao Correio)
Shirley Rúbia, de 39 anos, foi esfaqueada quando levava a filha ao pediatra - (crédito: Arquivo cedido ao Correio)

O feminicídio ocorrido em Ceilândia na tarde da última segunda-feira (14/9) marcou a vida de uma criança de apenas 4 anos, que viu a mãe ser atacada a facadas pelo pai. A garota, porém, ainda não pôde assimilar o crime bárbaro. “Ela acha que a mãe está no hospital, fazendo cirurgia, mas vai voltar”, conta Robson Eurípides, 52 anos, tio da menina.

O crime aconteceu dentro de um hospital particular, onde Shirley Rúbia Gertrudes, 39, havia marcado uma consulta com o pediatra. A mulher foi ao local acompanhada pelo ex-companheiro e pai da criança, Rafael Rodrigues Manuel, 35. Os dois chegaram a discutir brevemente dentro do consultório, quando o homem resolveu sair, buscar uma faca dentro do carro e entrar novamente na sala de consulta para desferir os golpes. Um deles atingiu o coração.

Tudo aconteceu na frente da criança e do médico. O hospital direcionou a vítima para o centro cirúrgico, mas ela não resistiu aos ferimentos. A filha recebeu um acompanhamento do Departamento de Psicologia do hospital. “Não sei o que vamos falar para ela daqui para frente. Não sei como contar que a mãe faleceu. Ainda não conseguimos nem pensar nisso”, diz Robson.

Braço direito

O irmão define Shirley como uma pessoa especial, braço direito da família. Essa é a primeira imagem que fica da vítima do ataque brutal, alguém que sempre esteve disposta a ajudar quem estivesse por perto.

“Somos cinco irmãos, todos com carinho muito grande, mas ela era especial para a gente. Ativa, comunicativa, trabalhadora, guerreira. Era uma mulher cristã que ajudava muito. Fiquei dois anos desempregado e ela me dava um pacote de arroz, uma palavra de força. A gente era muito pegado”, lembra o irmão.

Robson conta ainda que Shirley se doava muito ao trabalho. “Eu mandava mensagem para ela brincando, dizendo ‘cadê você, cabeçona? Sumiu’, e ela dizia que estava sem tempo com os dois serviços”. A mulher chegou a trabalhar como recepcionista no hospital onde foi assassinada, entre 2013 e 2017. Atualmente, ela atuava como segurança de uma outra unidade de saúde, na Asa Norte. Além da criança, ela deixa um adolescente, de 17 anos, fruto de outro relacionamento.

Ainda não há definição sobre o dia do enterro. “Vou ver minha irmã debaixo do chão, na terra e não sei o que vai ser de mim, mas Deus vai me dar força para ajudar a passar por isso e a cuidar da minha sobrinha, que gostava muito de mim”, afirma Robson.

Levantamento

O Correio mostrou que dezenas de famílias foram dilaceradas pelo feminicídio nos últimos cinco anos. Nesse período de tempo, 107 mulheres perderam a vida vítimas do crime de intolerância e 137 crianças e adolescentes tornaram-se órfãos devido aos assassinatos por preconceito de gênero no Distrito Federal.

 

Como pedir ajuda


Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência — Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República
Telefone: 180 (disque-denúncia)

Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
» De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
» Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)
» Entrequadra 204/205 Sul - Asa Sul
(61) 3207-6172

Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos
Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação