CORONAVÍRUS

Eventos para até 100 pessoas estarão permitidos a partir de 6 de outubro no DF

Governo do Distro Federal autorizou, ontem, a retomada do setor. No entanto, será de forma gradual e voltado apenas para o público corporativo. A partir de 6 de outubro, reuniões com até 100 pessoas podem ocorrer

Mariana Machado
Samara Schwingel
postado em 23/09/2020 06:00 / atualizado em 23/09/2020 07:29
 (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Após cerca de seis meses sem funcionar por causa da pandemia do novo coronavírus, o setor de eventos do Distrito Federal foi autorizado a retomar as atividades de forma gradual. A liberação ocorreu por meio do Decreto nº 41.214, publicado no Diário Oficial do DF (DODF) de ontem. De acordo com o texto, a partir de 6 de outubro, eventos corporativos poderão ser realizados. Empresários do ramo que estavam com baixo faturamento e sendo obrigados a fazer cortes nas empresas, começam a se preparar para a volta das atividades na cidade.

Os eventos corporativos devem seguir o calendário estabelecido pelo decreto (veja Cronograma). Em 6 de outubro, estarão permitidos reuniões de até 100 pessoas. Atividades para até 300 pessoas, serão liberadas a partir de 27 de outubro. Apenas em janeiro de 2021 será permitido realizar ações para um público acima de mil pessoas. Para o presidente do Sindicato das Empresas de Promoção, Organização, Produção e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do DF (Sindieventos), Luis Otávio, o decreto é um progresso. “Assim, podemos começar a programar e planejar os eventos a fim de realizá-los da melhor forma”, diz.

Luis afirma que o sindicato está ciente da atual condição sanitária do país, mas considera que as atividades precisavam ser retomadas. “Foram cerca de 180 dias parados e com o futuro indefinido. Isso gerou um prejuízo muito grande para a categoria”, argumenta. Em relação à covid-19, o presidente da entidade reforça a necessidade das medidas de segurança e higienização. “Promotores, prestadores de serviços e clientes devem ser extremamente rigorosos com os protocolos básicos, a fim de evitar a disseminação do novo coronavírus”, declara. “O decreto foi um grande avanço e vai permitir que muitas empresas se ergam novamente”, completa.

Sem perder tempo, o empresário Flávio Mikam, 38, começou a se preparar para a volta dos eventos corporativos. Proprietário de um coworking, ele está otimista. “Acredito que a situação deve melhorar ao longo dos próximos meses, pois o público vai ganhar confiança”, avalia. Ansioso para voltar à ativa, ele fez questão de realizar o primeiro evento no espaço um dia após o decreto. “Mesmo com a rapidez, seguimos todas as medidas necessárias para evitar o contágio pelo novo coronavírus”, ressalta. “Temos um espaço que suporta 75 pessoas, mas vamos abrir para apenas 25, por enquanto. Além disso, vamos ser rigorosos com o uso de álcool em gel, máscaras e distanciamento social”, garante Flávio.

Preocupação

Apesar do Sindieventos comemorar, a retomada divide opiniões. Frederico Barros, 37 anos, é empresário do ramo e não considera prudente o retorno dessas atividades. “Não é seguro falar que dá para voltar o setor. Nossa nova realidade são esses eventos onde as pessoas participam de casa. Eventos em ambientes fechados e de grande aglomeração não dá”, alerta. Ele conta que os impactos da pandemia foram desastrosos. “Minha empresa, que é pequena, teve um prejuízo de R$ 1,5 milhão. Além disso, em condições normais, realizamos 150 eventos, mas, este ano, foram apenas quatro contando com o carnaval”, lamenta.

Durante o tempo em que os eventos ficaram proibidos, Frederico precisou encontrar formas de driblar a crise. “No meu caso, os eventos on-line ajudam a empresa a se manter, mas para outro cenário eu diria que está bem complicado. É um setor completamente prejudicado”, considera.

A secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, afirma que o protocolo apresentado foi montado em parceria com a Casa Civil, Vigilância Sanitária e as secretarias de Saúde e de Segurança Pública. “Tem a questão das máscaras, medição da temperatura, um fiscal disponibilizado pelo evento com número definido de pessoas por fiscal. Nada diferente nem mais complicado do que já tem sido realizado”, ressalta Vanessa.

Cronograma

Confira o calendário de retorno dos eventos corporativos:

» Atividades para até 100 pessoas, a partir de 6 de outubro
» Atividades para até 300 pessoas, a partir de 27 de outubro
» Atividades para até 500 pessoas, a partir de 17 de novembro
» Atividades para até mil pessoas, a partir de 8 de dezembro
» Atividades para público acima de mil pessoas, a partir de 5 de janeiro de 2021

DF tem 794 novos casos de covid-19

A Secretaria de Saúde confirmou 794 casos novos de covid-19 até as 18h de ontem, em relação ao dia anterior. Os registros levaram o número de infectados para 185.349, no Distrito Federal. Desse total, 93,7% se recuperaram da doença, mas 3.131 (1,7%) dos pacientes morreram. As vítimas incluem 255 pessoas moradoras de Goiás e de outros sete estados.

A pasta também confirmou 34 novas mortes, que ocorreram de 16 de julho até ontem, quando ao menos uma pessoa não resistiu às complicações da covid-19. Cinco vítimas moravam em Santa Maria, duas em Goiás, e a maior parte delas (23) eram homens. Eles também são maioria quando considerado o total de óbitos do DF, representando 59% do total. Por outro lado, as mulheres são as mais diagnosticadas, e correspondem a 53,9% dos pacientes infectados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação