Perigo

Alagou? Confira cuidados para lidar com a chuva em casa e na rua

No trânsito, na rua e até mesmo em casa é preciso redobrar a atenção e cuidados na hora da chuva. Confira como lidar com situações de alagamento

Jonathan Luiz*
postado em 24/09/2020 14:15
A aquaplanagem é situação comum quando há alagamentos e muita chuva -  (crédito: Breno Fortes/CB/D.A Press)
A aquaplanagem é situação comum quando há alagamentos e muita chuva - (crédito: Breno Fortes/CB/D.A Press)

Depois de 119 dias de estiagem, a temporada de chuva está aberta. E, com ela, os riscos de alagamento. Nesse período do ano, motoristas e pedestres precisam ter ainda mais atenção. Em caso de via alagada, é possível avaliar no olhômetro se é viável atravessar? Se o carro aquaplanar, o que é preciso fazer para contornar a situação? Qual é o melhor lugar para estacionar o veículo se estiver atravessando uma tempestade? Esses questionamentos são importantes para seguir uma viagem segura.

É comum sair de casa e esquecer o guarda-chuva. Pior ainda é quando o pedestre está passando por uma via e começa a chover. Em situações como essa, a estudante Camilla Nunes, 21, moradora de Ceilândia, contou que procura um abrigo e espera a chuva passar. “Acho mais seguro aguardar e me atrasar um pouco, do que sair numa chuva forte. Pode ser bastante perigoso. Ainda mais que utilizo transporte público”, relata.

Caso se depare com uma poça d’água, o tenente Fábio Bohle passa algumas orientações. “Em situações como essa, a pessoa não deve se aventurar em atravessar, principalmente, se a água não estiver dando visibilidade do fundo. A pista pode ter buraco, tampo de esgoto ou bueiro. O ideal é procurar um lugar seguro para atravessar”, explica.

Além dessa, o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) passa as seguintes orientações de prevenção e cuidados em casos de chuvas:

  • Em caso de tempestade com raios, procure abrigo.
  • Não se exponha à chuva.
  • Não se abrigue embaixo de árvores.
  • Não fique exposto em meios líquidos. Exemplo: lagos, lagoas, rios, praia, piscinas e outros.
  • Não se exponha em lugares abertos. Exemplo: áreas descampadas, campos de futebol e lugares isolados.
  • Evite a rua e andar, principalmente, embaixo da rede elétrica.
  • O interior do carro é um local isolado e seguro.

Zona rural:

  • Evite trabalhar no mato durante tempestade.
  • Não se aproxime ou toque cercas de arame.
  • Evite a proximidade com áreas de mata fechada.
  • Não se abrigue embaixo de árvores.
  • Procure um local seco e seguro para se abrigar.

Dentro de casa:

  • Não utilize equipamentos elétricos.
  • Evite tomar banho durante a tempestade
  • Não utilize o telefone caso esteja conectado à rede elétrica.
  • Evite a proximidade e o contato com materiais condutores de energia. Exemplo: metais, alumínio e até mesmo a água da torneira ou do chuveiro.
  • Mantenha-se sempre calçado.
  • Antes da tempestade desligue todos os aparelhos eletroeletrônicos das tomadas.

Trânsito

Dirigir em pista molhada exige do motorista ainda mais atenção. O diretor de Educação de Trânsito do Detran/DF, Marcelo Granja, passa algumas orientações que os condutores precisam seguir. “É preciso manter distância de segmento do veículo da frente, evitar fazer manobras bruscas, ultrapassagens desnecessárias, estar sempre com os faróis acesos. Acender as luzes de posição, os faroletes, as lanternas. É imprescindível essa visualização por partes de outros condutores. Sempre usar as setas, dando o sinal com antecedência”, fala.

O especialista afirma que, em época de chuva, há um aumento de cerca de 20% de pequenas colisões, principalmente na traseira. Além disso, Marcelo alerta o que é preciso fazer em situação de aquaplanagem. “O primeira passo é manter a calma. Não precisa frear bruscamente, isso pode causar travamento das rodas. O correto é reduzir gradativamente a velocidade, aliviando a pressão no acelerador, tirando um pouco o pé desse pedal”, explica. “Se o veículo tiver freios ABS é importante ir freando progressivamente até que os pneus recuperem a aderência. O volante precisa ficar na trajetória em que o motorista deseja, se mais curvo ou linha reta, manter firme o volante, mas sem movimentos bruscos que possam fazer esse veículo rodar ainda mais”, complementa.

Lídio Pereira, 48, morador de Ceilândia, hoje em dia é vigilante, mas já trabalhou como taxista. Ele diz que passou por situação de aquaplanagem. “Tentei manter o carro em equilíbrio e segui o caminho. Nesses momentos, a calma é a melhor coisa para que não cause acidentes”, comenta.

O vigilante afirma seguir uma boa conduta no trânsito, ainda mais quando está dirigindo na chuva. “Costumo tomar alguns cuidados, o principal deles é diminuir a velocidade. Também mantenho distância do veículo da frente e sempre confiro se os pneus do carro não estão carecas”, salienta.

Em relação aos pneus, Marcelo Granja faz alguns alertas. “É preciso ficar atento com a calibragem ideal de cada tamanho de pneu. Procurar verificar no manual. Olhar se o pneu está em boas condições. O pneu fica careca quando perde as ranhuras, o que gera frisos onde a água circula. À medida que vai perdendo essas ranhuras, a água deixa de circular e a possibilidade de acontecer uma aquaplanagem acaba sendo muito maior”, conta.

O educador também salienta que é preciso fazer revisões nos freios e nos limpadores de para-brisa e, principalmente, olhar as palhetas do limpador, porque no período de seca essas palhetas vão ressecando e ficam desgastadas.

“Na questão da visibilidade, é importante sempre ficar com o ar-condicionado e o desembaçador elétrico traseiro ligados, isso facilita muito a visibilidade. Quando o carro não tem esses itens, o jeito é abrir um pouco os vidros e deixar o ar circular. Caso não resolva, pode usar uma flanela para que possa melhorar a visibilidade. E existe desembaçante líquido. Eles são vendidos em lojas de peças de carro e em alguns posto de combustível”, orienta Marcelo,

O especialista lembra que, em Brasília, não há enchentes em uma cidade por completo, mas sim em pontos específicos. Entretanto, é preciso ter cuidado nas tesourinhas e em locais onde há rebaixamento de via.

Caso o motorista fique com o carro preso em um alagamento, Marcelo aconselha: “abandonar o veículo assim que o nível da água atingir o batente do carro. A partir que passa do batente o veículo vai começar a boiar. Se o condutor observou que entrou água dentro do carro, e percebeu que não vai conseguir tirar o veículo, é preferível que saia até porque o carro vai ficar solto e pode acabar correndo riscos”, afirma.

Viu uma rua alagada e não sabe mensurar a quantidade de água? Não tem noção da profundidade? O ideal é que pare o carro com antecedência, faça manobra e procure uma outra área para poder passar, como aponta o especialista.

Além disso se, enquanto estiver dirigindo, começar a chover e não se sentir seguro, vale seguir as orientações de Marcelo: "Se estiver em área urbana, pode procurar um estacionamento, um local onde possa fazer a parada completa. É importante sair da via. Nos centros urbanos, sempre temos uma rua local”, aponta.

“No caso de rodovias, a pessoa deve ir para o acostamento e acionar o pisca alerta, esse dispositivo só deve ser acionado quando o veículo estiver parado, porque outro condutor já identificará essa situação. Além do acostamento, tendo uma opção de sair totalmente da pista, se tiver um lugar de recuo ou uma área que possa tirar efetivamente da pista, melhor ainda, até porque o condutor não vai se colocar em risco em relação à visibilidade ruim de outro condutor. O ideal é sempre sair da pista”, finaliza Marcelo.

Orientações da Defesa Civil

Nos casos de destelhamento devido aos ventos fortes, a orientação é permanecer dentro da residência e procurar abrigo, como uma mesa ou cama, para evitar ser atingido por cacos e pedaços de telha.

  • Quando as chuvas forem acompanhadas de raios, é importante não ficar próximo de canos, janelas e portas metálicas.
  • Para quem estiver na rua quando começar uma chuva, a Defesa Civil faz as seguintes recomendações:
  • Não segurar objetos metálicos longos, como varas de pesca e tripés;
  • Não empinar pipas ou aeromodelos com fio;
  • Não andar a cavalo;
  • Não permanecer na água;
  • Evitar lugares que ofereçam pouca ou nenhuma proteção contra raios, como pequenas construções não protegidas (celeiros, tendas ou barracos) e veículos sem capota, como tratores, motocicletas ou bicicletas;
  • Não permanecer no alto de morros ou no topo de prédios;
  • Não se aproximar de cercas de arame, varais metálicos, linhas elétricas aéreas e trilhos;
  • Nunca se abrigue debaixo de árvores isoladas.

Piscinas

Durante as chuvas, a orientação é não entrar em piscinas ou lagos por conta do risco de raios e descargas elétricas. Em rios e cachoeiras, o problema é agravado pela possibilidade de tromba d’água.

No caso de inundações, se começar a entrar água dentro de casa, a orientação é desligar o disjuntor para evitar o risco de eletrocussão. O religamento da rede só deve ocorrer depois que ela for revisada, para que não haja colapso no sistema.

Emergências

Em situações de emergência, o primeiro órgão a ser acionado é o Corpo de Bombeiros Militar do DF, pelo 193. A Defesa Civil é chamada pelos bombeiros quando há ameaça iminente de desabamento de estruturas.

Canal direto

O canal direto com a Defesa Civil, para esclarecimento de dúvidas ou solicitações, como por exemplo para avaliação estrutural e de infiltrações, é o 199 ou pelos telefones 3362-1906/1909.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação