LOTERIA

Mega-Sena de R$ 90 milhões: brasilienses sonham com a bolada

Os apostadores podem fazer a fezinha até as 19h de sábado, em casas lotéricas ou pelo site

Thalyta Guerra*
postado em 02/10/2020 06:00 / atualizado em 02/10/2020 06:42
 (crédito: ED ALVES/CB/D.A Press)
(crédito: ED ALVES/CB/D.A Press)

Se ganhar os R$ 60 milhões do concurso anterior da Mega-Sena era o sonho de muitos, imagine receber uma bolada de R$ 90 milhões? Esse é o valor acumulado do prêmio que será sorteado amanhã. Os apostadores podem fazer a fezinha até as 19h de sábado, em casas lotéricas ou pelo site www.loteriasonline.caixa.gov.br.

Para não correr o risco de ficar de fora do sorteio, o servidor público Osias Rodrigues, de 52 anos, já fez as apostas. Ontem, após encontrar um bilhete da Mega já marcado na rua, ele não perdeu tempo, foi até uma lotérica e jogou os números da cartela preenchida. “Quando eu acho um jogo no chão, na rua, ou vejo algum número interessante, eu vou lá e jogo. Acabei de achar um bilhete e decidi jogar. Vai que é a sorte, né”, disse.Osias tem outra estratégia que acredita que o fará um milionário. “Vão fazer dois anos que eu aposto o mesmo jogo. Já fiz duas quadras e vou com eles até ganhar”.

No último sorteio, quatro apostas do Distrito Federal acertaram a quina, e cada ganhador faturou R$ 47.955,93. Os quatro sortudos fizeram jogos simples de seis dezenas, ao preço de R$ 4,50. As lotéricas que registraram os bilhetes foram a Borges e Cia (na 403 Sul), a Casa Lotérica Lance Certo (em Planaltina), a Loteria Castelo Forte (em Samambaia Sul) e, por fim, um jogo feito pela internet. Outras 5.934 apostas ganhadoras acertaram a quadra e receberam R$ 1.039,05.

Com o lema “só faz gol quem chuta”, o servidor público Christian Luís Costa, 48, não perde um sorteio da Mega. Ele participa apenas de bolões, pois diz conhecer muitas pessoas que ganharam nessa modalidade de aposta. O objetivo, se ganhar, é um só: ter o próprio negócio. “Vou guardar um pouco e investir em negócios. Cogito largar o serviço público e abrir um bar, um restaurante, nada muito grande. Ter alguma coisa para não ficar parado e fazer o dinheiro render mais”, planeja.

*Estagiária sob a supervisão de Adson Boaventura

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação