Cobrança

Adasa adia vigência de novos preços para resíduos de construção

Em razão da pandemia, cobrança permanecerá em R$ 10,92 por tonelada até janeiro de 2021

Correio Braziliense
postado em 02/10/2020 12:10
Essa é a segunda vez que o órgão opta por postergar a data  -  (crédito: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Essa é a segunda vez que o órgão opta por postergar a data - (crédito: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Devido à pandemia do novo coronavírus, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) decidiu adiar, para janeiro de 2021, o prazo para início dos novos preços públicos para resíduos gerados pela construção civil, podas e galhadas.

Esta é a segunda vez que o órgão opta por postergar a data. Inicialmente, os valores reajustados seriam cobrados pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU) a partir de 1º de abril, mas foram adiados para 1º de outubro e, agora, para o próximo ano.

O SLU é responsável pela cobrança desde 2018. Provisoriamente, o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) fixou os valores em R$ 10,92 por tonelada, até a revisão de preços feita pela Adasa. Até janeiro, esse será o preço mantido.

Os valores revisados são maiores do que os praticados atualmente. O preço foi reajustado em 9%, para a disposição final de resíduos segregados da construção civil, em 92% para os não segregados e em 70% para podas e galhadas.

No DF, este tipo de resíduo vai para a Unidade de recebimento de Entulhos (URE) — onde antes funcionava o Lixão da Estrutural —, até que sejam instaladas as áreas de transbordo e tratamento de resíduos da construção civil pela iniciativa privada.

*Com informações da Adasa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação