Aedes aegypti

DF registra aumento de 22,42% nos casos de dengue comparado a 2019

Até 3 de outubro a Secretaria de Saúde registrou 45.348 casos prováveis da doença na capital. Em 2019, foram contabilizados 37.041 ocorrências de dengue

Correio Braziliense
postado em 19/10/2020 18:34
O período das chuvas traz mais preocupação diante do aumento da doença -  (crédito: Acácio Pinheiro/Agência Brasília)
O período das chuvas traz mais preocupação diante do aumento da doença - (crédito: Acácio Pinheiro/Agência Brasília)

Com a chegada do período chuvoso, os brasilienses devem redobrar os cuidados para a prevenção da dengue, outra doença que apresenta um elevado registro no Distrito Federal. De acordo com a Secretaria de Saúde, de janeiro até 3 de outubro foram contabilizados 45.338 casos da doença na capital. O número representa um aumento de 22,42% se comparado ao mesmo período do ano passado, quando houve 37.041 ocorrências. Em todo o ano de 2019, foram registrados 47 mil casos.

Neste ano, 44 pessoas morreram em decorrência da doença. Das vítimas, dez residiam no Gama; quatro em Ceilândia e Planaltina, três em Samambaia e Vicente Pires; dois em Sobradinho, Guará, Sobradinho II, Lago Sul, Recanto da Emas, Taguatinga e Santa Maria. As regiões de Riacho Fundo II, Paranoá, Fercal, Águas Claras, Sudoeste/Octogonal e Plano Piloto registraram um óbito cada. No ano passado, a capital contabilizou 52 mortes no mesmo período. 

Dentre as notificações, foram confirmados 68 casos de dengue grave e 652 ocorrências com sinais de alarme. As regiões que concentram o maior número de infectados são: Ceilândia (5.095), Gama (4.693),  Santa Maria (3.762), Samambaia (3.613) e Taguatinga (3.355). Os dados são do último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde na última sexta-feira (16/10). 

Atenção


Saiba quais cuidados tomar para evitar a doença e a proliferação do mosquito transmissor:


» Evite água parada

» Tampe baldes, caixas d’água e tonéis

» Deixe garrafas viradas para baixo e mantenha lixeiras sempre tampadas

» Coloque areia nos pratos de vasos de plantas

» Mantenha ralos e calhas sempre limpos

» Use repelente

» Acione a Vigilância Ambiental, o SLU ou a Novacap caso suspeite que um local seja potencial foco do mosquito


Fonte: Secretaria de Saúde

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação