Lago Paranoá

Espuma misteriosa: Adasa e Caesb investigam fenômeno no Lago Paranoá

Segundo a agência e a companhia, provavelmente não se trata de poluição e sim um fenômeno que acontece devido às primeiras chuvas

Correio Braziliense
postado em 21/10/2020 17:01 / atualizado em 21/10/2020 17:02
 (crédito: Arquivo pessoal)
(crédito: Arquivo pessoal)

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) e a da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) fizeram uma vistoria no Lago Paranoá, nesta quarta-feira (21/10), devido ao aparecimento de uma espuma às margens do lago. A espuma foi observada principalmente na Península dos Ministros.

Segundo a Adasa, o fenômeno pode ter a ver com as primeiras chuvas na capital, mas a agência ainda está "verificando se há algum lançamento clandestino próximo ao local." "Esse fenômeno já aconteceu em outros anos e tem grande probabilidade de estar relacionado com as primeiras chuvas, que lavam a superfície do solo, escoando essas águas para o lago", informou o órgão. A Caesb também explicou da mesma forma e negou que se trate de sinal de poluição. "A Caesb esclarece que, quando começam as chuvas, há um processo de aeração no Lago em razão do movimento causado pela chuva. Com isso, a matéria orgânica natural começa a se decompor. Isso não é poluição. É decomposição da matéria orgânica natural, o que não causa prejuízo ambiental", afirmou em nota. 

Nota completa Caesb 

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) informa que uma equipe esteve no local citado e em outros pontos do Lago Paranoá, nesta quarta-feira (21/10), para verificar a situação. Os técnicos percorreram a orla e não identificaram nenhuma irregularidade relacionada ao sistema de esgotamento sanitário. As elevatórias de bombeamento de esgotos também foram vistoriadas e não foi encontrado nenhum problema de funcionamento. A Caesb esclarece que, quando começam as chuvas, há um processo de aeração no Lago, em razão do movimento causado pela chuva. Com isso, a matéria orgânica natural começa a se decompor. Isso não é poluição. É decomposição da matéria orgânica natural, o que não causa prejuízo ambiental

Nota completa Adasa 

A Adasa informa que já está investigando o caso em parceria com o Ibram, a Caesb e a Capitania fluvial, e verificando se há algum lançamento clandestino próximo ao local. Esse fenômeno já aconteceu em outros anos, e tem grande probabilidade de estar relacionado com as primeiras chuvas, que lavam a superfície do solo, escoando essas águas para o lago.

Caso contrário, atuará em conjunto com o Ibram, com a Capitania fluvial e demais órgãos responsáveis para identificar e buscar a solução para o problema.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação