FORNECIMENTO

Aneel fará reajuste na tarifas de energia da CEB; confira os valores

As unidades consumidoras de baixa tensão terão uma redução média de - 0,49% nas novas tarifas e os clientes com fornecimento em alta tensão receberão um acréscimo de 2,14%

Correio Braziliense
postado em 22/10/2020 17:44 / atualizado em 23/10/2020 10:36
Para mais de 90% dos consumidores, conta ficará mais barata -  (crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Para mais de 90% dos consumidores, conta ficará mais barata - (crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

A partir desta quinta-feira (22/10), as tarifas de energia da CEB Distribuição (CEB-DIS) sofrerão reajustes. A decisão é da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). De acordo com a ANEEL, o efeito médio de reajuste definido em 0,27%, será positivo ao levar em consideração todos os clientes da companhia.

Em relação aos consumidores com fornecimento em baixa tensão (residências, rurais e comércio de pequeno porte), cerca de 1,08 milhão de pessoas ou 99,79% das unidades atendidas pela CEB, as novas tarifas terão redução média de - 0,49%. Para os clientes conectados em alta tensão (indústrias, grandes comércios e alguns clientes residenciais), o reajuste médio será de 2,14% (acréscimo nas contas).

 

Reajuste Tarifário Anual

 

O Reajuste Tarifário Anual (RTA) é um dos mecanismos de atualização do valor da energia paga pelo consumidor, previsto no contrato de concessão e estabelecido pela ANEEL. Ao calcular a tarifa, a agência considera vários fatores, como o custo para aquisição de energia, os serviços de transmissão e os encargos setoriais. Estes montantes não entram no caixa da empresa, mas são arrecadados e repassados para outros agentes do setor elétrico, como usinas geradoras, transmissoras, etc.

A ANEEL também analisa os gastos próprios da atividade de distribuição que estão sujeitos ao controle ou influência das práticas gerenciais adotadas pela empresa, como custos operacionais (PMSO), remuneração do capital e reposição dos ativos. Nesse segmento, houve o reajuste de 0,67% na composição da tarifa, ou seja, a distribuidora deve arrecadar, nos próximos 12 meses, período do ciclo tarifário, em torno de R$ 526,85 milhões no total.

E ainda, a agência diz que a Conta-Covid contribuiu para a redução na tarifa dos clientes do mercado de concessão da CEB-DIS. Com a finalidade de amortecer os impactos dos custos tarifários devido à pandemia causada pelo coronavírus, essa conta representou o percentual negativo nas tarifas de 10,2%, que impactou diretamente nos custos de compra e transmissão de energia.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação