PANDEMIA

Sesc doa 10 mil testes à Secretaria de Saúde, para estudo epidemiológico

Doação possibilitará pesquisa para avaliar a quantidade de pessoas que tiveram contato com o novo coronavírus no Distrito Federal

Tainá Seixas
postado em 29/10/2020 23:00
Testes rápidos foram entregues à pasta nesta quinta-feira (29/10) -  (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Testes rápidos foram entregues à pasta nesta quinta-feira (29/10) - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O Serviço Social do Comércio do Distrito Federal (Sesc-DF) doou, nesta quinta-feira (29/10), 10 mil testes rápidos de detecção da covid-19 à Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Os testes são do tipo IgG e IgM, para detecção de anticorpos contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Além dos insumos, a entidade disponibilizará profissionais da área da saúde para atuar na testagem, sob supervisão de servidores do Executivo local.

Francisco Maia, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), vinculada ao Sesc-DF, explica que a parceria com a Secretaria de Saúde ocorreu no início da pandemia. Para ele, a contribuição será importante no combate à doença. "É uma forma de o Sesc participar e ajudar a população carente, que é o nosso objetivo", afirma.

O diretor de vigilância epidemiológica da Secretaria de Saúde, Cássio Peterka, explica que os testes serão usados para um estudo epidemiológico sobre a disseminação do vírus na capital federal. Com a testagem, será possível avaliar quantas pessoas tiveram contato com o Sars-Cov-2.

"Neste momento, é fundamental que a gente invista em estudos epidemiológicos. Precisamos trabalhar cada vez mais próximos não só ao Sesc e instituições parceiras, mas também à academia e a instituições de pesquisa para apoio e discussão da situação que estamos vivendo", avalia Cássio.

Para Julival Ribeiro, médico infectologista, o inquérito epidemiológico é de grande importância no controle da doença. Contudo, ele considera que a ciência ainda desconhece informações sobre a doença e a imunidade adquirida por quem se recuperou dos sintomas.

"Ninguém sabe ainda quanto tempo dura essa imunidade, tanto que estamos tendo casos de reinfecção. Significa que, mesmo fazendo inquérito, mesmo chegando uma vacina que seja segura e eficaz, nós vamos ter de continuar usando a máscara, fazendo higienização das mãos e (cumprindo as medidas relacionadas ao) isolamento social", argumenta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação