Obituário

Velório de Jofran Frejat, ex-secretário de saúde do DF, começa às 15h

Político morreu nessa segunda-feira (23/11) vítima de câncer no pulmão; governador Ibaneis Rocha (MDB) decretou luto oficial de três dias

Washington Luiz
postado em 24/11/2020 10:56 / atualizado em 24/11/2020 11:07
Frejat ficou reconhecido pelo trabalho na área de saúde -  (crédito: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Frejat ficou reconhecido pelo trabalho na área de saúde - (crédito: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)

O corpo do ex-secretário de Saúde e ex-deputado federal Jofran Frejat será cremado em Valparaíso, na tarde desta terça-feira (24/11). O velório está marcado para as 15h, no cemitério Campo da Esperança, da Asa Sul. A cerimônia se encerra às 17h. Aos 83 anos, Frejat morreu nessa segunda (23/11), vítima de câncer no pulmão. Ele ficou internado por 17 dias no Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul. Em outubro deste ano, ele descobriu que tinha um nódulo no órgão durante tratamento de um cálculo renal.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretou luto oficial de três dias pelo falecimento do médico. “Jofran Frejat é um exemplo que eu segui e espero continuar seguindo na vida pública. Para mim, sempre foi um modelo de político”, declarou Ibaneis, em nota oficial.

Além dele, o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto, reconheceu a importância do médico-cirurgião para a saúde da capital federal. “Foi durante sua gestão que foram construídos ou inaugurados os hospitais regionais de Ceilândia, Asa Norte, Paranoá e o Hospital de Apoio (...) A Secretaria de Saúde se solidariza com familiares e amigos de Frejat, que teve importante papel para o desenvolvimento da Rede Pública de Saúde do Distrito Federal”, frisou.

Respeitado pelo trabalho, Frejat também recebeu homenagem de adversários políticos. “Embora adversários na eleição de 2014, sempre mantive com ele uma relação de respeito e diálogo. Frejat exerceu a política com dignidade e tinha minha admiração”, afirmou Rodrigo Rollemberg, ex-governador do DF.

Agnelo Queiroz, que comandou a capital entre 2011 e 2014, também lamentou a morte do político. “Sempre estivemos juntos à frente de muitas lutas em defesa dos servidores da Saúde, mantendo o respeito e amizade em diversos momentos das nossas vidas. Envio minha solidariedade à família e aos amigos”, disse em nota.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE