DERRUBADA

Ibram demole quatro casas em unidade de conservação do Riacho Fundo

A operação no Parque Ecológico da região administrativa visa coibir ocupações irregulares e impedir degradação ambiental

Correio Braziliense
postado em 26/11/2020 18:41 / atualizado em 26/11/2020 18:44
 No Parque Ecológico Riacho Fundo também foram retiradas cisternas aterradas e três mil metros de cercas e dois basculantes de entulhos -  (crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
No Parque Ecológico Riacho Fundo também foram retiradas cisternas aterradas e três mil metros de cercas e dois basculantes de entulhos - (crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)

O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) demoliu, por meio de operação de fiscalização, quatro edificações de madeira no Parque Ecológico Riacho Fundo, na quarta-feira (25/11). No local, também foram retiradas cisternas aterradas, três mil metros de cercas e dois basculantes de entulhos.

Participaram da operação a Secretaria de Estado de Proteção da Ordem Urbanística (DF Legal), Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap).

O auditor fiscal do Ibram David Ferreira explica que operação é uma forma de coibir ocupações irregulares na unidade de conservação (UC), “que vem há algum tempo sendo vítima deste tipo de ação que causa perda de vários atributos ambientais à UC”.

Desde 2019, o Instituto realiza operações de fiscalização devido à permanência constante de edificações no parque. As ocupações, porém, contribuem para a degradação de recursos naturais existentes no local, como nascentes, fauna e flora.

O Parque Ecológico Riacho Fundo representa um área de 480 hectares e foi criado com o objetivo de garantir a diversidade biológica da fauna e flora locais. Parte do ribeirão Riacho Fundo, inclusive suas nascentes, situam-se no interior do parque. A área engloba grande extensão de mata, vegetação de cerrado nativo, pastos e bosques de espécies exóticas. Está aberta à comunidade das 8h às 12h e das 13h30 às 17h, com entrada franca.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE