Crime

Família de idoso procurou a polícia antes de descobrir assassinato

Ricardo Flávio dos Santos, 69 anos, foi asfixiado e morto por três pessoas, entre elas, um agente da DER e uma jovem de 21 anos, que teria planejado o crime. O Correio apurou que a vítima saiu de casa na quarta-feira afirmando aos familiares que iria a um escritório de advocacia no Guará

Darcianne Diogo
postado em 27/11/2020 16:19
 (crédito: Material cedido ao Correio)
(crédito: Material cedido ao Correio)

A família do idoso Ricardo Flávio dos Santos, 69 anos, asfixiado e morto na quarta-feira (25/11), chegou a registrar boletim de ocorrência antes de descobrir que o homem tinha sido assassinado. Eles estiveram na 4ª de Delegacia de Polícia (Guará) na quinta-feira e relataram o desaparecimento do aposentado. 

Nesta sexta-feira (27/11), três pessoas foram presas acusadas de terem cometido o latrocínio (roubo seguido de morte), entre elas um agente do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) e uma jovem de 21 anos, identificada como Sthefany Virginia Inácio Rodrigues, que teria planejado o crime e atraído Ricardo.

O idoso saiu de casa, em Samambaia, na manhã de quarta-feira, por volta das 8h. Aos familiares, ele informou que iria a um escritório de advocacia na QI 7 do Guará 1, no entanto, não chegou ao local, segundo informaram os parentes. Por volta de 12h do mesmo dia, a irmã da vítima ligou no celular dele e a perguntou sobre o paradeiro, mas o idoso não informou onde estava e desapareceu.

Sem notícias e preocupados, a família decidiu registrar boletim de ocorrência na quinta-feira. Segundo investigações conduzidas pela 19ª Delegacia de Polícia (P Norte), há três semanas, após descobrirem que a vítima receberia cerca de R$ 35 mil referente a uma indenização, o grupo decidiu subtrair o dinheiro. O Correio apurou que os dois se conheceram por meio de um aplicativo de relacionamento. “Ontem (quinta-feira), a mulher convidou a vítima para ir até a residência dela, em Ceilândia, para ingerir bebida alcoólica. Durante a ingestão, ela colocou cerca de 15 gotas de rivotril e o homem desmaiou”, detalhou o delegado-adjunto da 19ª DP, Thiago Peralva.

De acordo com o investigador, os autores levaram os pertences do idoso, inclusive cartões bancários e foram até uma agência na região. No banco, o trio não conseguiu sacar o dinheiro, pois para realizar o procedimento, era necessário a digital do titular da conta. “Então, eles decidiram matá-lo, pois segundo eles, o homem poderia acordar”, complementou Peralva.

Plano

Ainda desmaiado, eles enforcaram Ricardo com um cabo de chapinha. Após matá-lo, os suspeitos efetuaram diversas compras no cartão de débito do idoso. Policiais civis da 19ª DP receberam uma denúncia anônima informando que, na residência, havia mau cheiro.

A equipe se deslocou ao local e se deparou com um corpo sozinho dentro do imóvel. Os investigadores, então, montaram uma campana do lado de fora da casa e, pouco tempo depois, a jovem chegou ao local, quando foi abordada pelos policiais. “Nós flagramos a mulher chegando em casa com um galão de 5 litros de gasolina, que seria usado para queimar o corpo da vítima. Constatamos, ainda, que o grupo iria levar o cadáver para Águas Lindas de Goiás”, afirmou o delegado. Os três responderão por latrocínio consumado.

Em depoimento, a mulher não demonstrou arrependimento e contou a situação de maneira “natural”.

 

  • Delegado-adjunto da 19ª Delegacia de Polícia, Thiago Peralva, conduz às investigações
    Delegado-adjunto da 19ª Delegacia de Polícia, Thiago Peralva, conduz às investigações Foto: Darcianne Diogo/CB/ D.A Press
  • A jovem é acusada de ter planejado o crime
    A jovem é acusada de ter planejado o crime Foto: Material cedido ao Correio
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE