IMÓVEIS

Mercado imobiliário em alta: DF registra aumento de 70,8% na arrecadação de ITBI

As informações do Sindicato da Habitação do Distrito Federal são referentes ao mês de outubro, em comparação com o mesmo período de 2019

Correio Braziliense
postado em 01/12/2020 20:43
 (crédito: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(crédito: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

Mesmo com a pandemia, o mercado imobiliário do Distrito Federal registrou alta em outubro. De acordo com o Sindicato da Habitação do DF (Secovi/DF), a arrecadação do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) cresceu 70,8% em relação ao mesmo período do ano passado. O tributo é pago pelos compradores ao se obter um imóvel.

A emissão de registros de compra e venda de imóveis também subiu neste mesmo período: 19,5% em relação a 2019, segundo a Associação dos Notários e Registradores. Os dados apontam que 3.698 imóveis foram comprados ou vendidos no DF em outubro.

De acordo com o Secovi/DF, Águas Claras é região administrativa que registrou maior rentabilidade, de 0,82% para lojas, 0,78% para salas comerciais e 0,51% para quitinetes e apartamentos de um quarto. Taguatinga, Brasília e Guará também se destacaram, com ganhos entre 0,69% e 0,47%. Essa análise indica o quanto, por meio do aluguel, o proprietário pode obter em relação à quantidade de recursos da propriedade.

Recuperação

Nos três primeiros trimestres de 2020, o setor imobiliário já havia superado o desempenho de 2019 — considerado o mais favorável para a área desde a crise econômica iniciada em 2014. O valor geral de vendas (VGV) concentrado neste período foi de R$ 1,5 bilhão, em 2020. O mesmo havia sido registrado no ano passado inteiro.

Em julho, o índice de velocidade de venda (IVV) foi de 11,1%, maior que o recorde da série histórica, iniciada em 2015. Apesar da queda e apreensão sofridos no início da pandemia, os dados mostram que houve recuperação, segundo avaliação do setor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE