Investigação

Briga entre ambulantes e seguranças do metrô termina em agressão

A confusão aconteceu na tarde desta segunda-feira. Segundo o boletim de ocorrência, o jovem de 20 anos foi detido por danos a bem público e teve lesões e escoriações pelo corpo. O Metrô-DF instaurou sindicância para apurar os fatos

Ana Clara Alves*
postado em 08/12/2020 23:30
 (crédito: Reprodução/redes sociais)
(crédito: Reprodução/redes sociais)

No fim da tarde desta segunda-feira (7/12), por volta das 17h20, uma confusão na Companhia Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) terminou em agressão. Segundo testemunhas, a briga começou entre um jovem que vendia bala e os seguranças na Estação Guariroba, em Ceilândia. Vídeos mostram a hora em que os vigilantes perseguiram e agrediram o homem nas proximidades do local.

Nas imagens, é possível ver um homem de 20 anos correndo em direção a um comércio na QNN 6 e os seguranças chegando no carro do Metrô. Logo após, os seguranças entram no local e começa a confusão. Eles saem com o jovem imobilizado e o colocam dentro do carro. Uma mulher joga pedra no veículo.

Segundo boletim de ocorrência da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), os seguranças alegaram que o jovem tinha sido detido pela prática de dano a bem público, com a ajuda de um adolescente de 17 anos e de uma mulher de 18. Eles atiraram pedras contra o carro, que ficou danificado. A ocorrência foi registrada na 15ª Delegacia de Polícia.

O jovem detido teve escoriações e lesões pelo corpo, foi encaminhado para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC) e depois seguiu para o Instituto de Medicina Legal (IML).

De acordo com a nota divulgada pelo Metrô-DF, a abordagem aos ambulantes para controlar o comércio proibido é frequente nos trens e nas estações. Nos casos de dano ao patrimônio, as pessoas abordadas são contidas e conduzidas à delegacia. “A Companhia desconhece qualquer excesso e informa que investiga qualquer episódio dessa natureza mediante comprovação por meio de laudo comprobatório emitido pelas autoridades competentes. O Metrô-DF preza pelo respeito aos protocolos de abordagem e às leis e normas vigentes para segurança e bem-estar dos usuários, bem como de seus empregados. O Metrô-DF informa, ainda, que instaurou uma sindicância para apurar os fatos”, completa o comunicado.

O caso está sob investigação pela PCDF.

* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE