Crime

Após perseguição, polícia recupera carro de motorista de app roubado

Três suspeitos acionaram a corrida pelo aplicativo em Vicente Pires com destino à Taguatinga. Ao entrarem no carro, o grupo anunciou o assalto e ordenou que o motorista descesse do carro. Após perseguição policial, os suspeitos abandonaram o automóvel e fugiram à pé

Darcianne Diogo
postado em 14/01/2021 22:26
 (crédito: PMDF/Divulgação)
(crédito: PMDF/Divulgação)

Um motorista de transporte por aplicativo foi vítima de roubo, na madrugada desta quinta-feira (14/1), na Rua 4 de Vicente Pires, após atender uma corrida, com destino à Taguatinga. Três passageiros entraram no veículo, um Voyage branco, entre eles, um adolescente, de 17 anos, e anunciaram o assalto. 

Segundo informações da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), o trio ordenou que o motorista descesse do carro, ainda em Vicente Pires. Durante o patrulhamento, policiais do Grupo Tático Operacional do 17º Batalhão (Gtop 37) avistaram o automóvel da vítima no Pistão Norte e deram ordem de parada, mas o grupo ignorou ao chamado e seguiu em direção ao Pistão Sul. 

Durante a perseguição policial, os suspeitos abandonaram o carro e fugiram à pé até um matagal, na Colônia Agrícola Veredão. O adolescente suspeito de participar do roubo lesionou a perna ao tentar correr e foi apreendido pela equipe. Ele passou por cirurgia no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) e, depois, será levado à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA II). Os outros dois envolvidos seguem foragidos. 

Em revista ao veículo do motorista de aplicativo, os policiais encontraram duas facas supostamente usadas no assalto, o celular da vítima e outros dois aparelhos telefônicos. O proprietário do veículo compareceu no local e conduziu o veículo até a DCA II onde foi registrado o ato infracional.

Violência

 
Na manhã desta terça-feira (21/1), um motorista de transporte por aplicativo foi assassinado depois de atender a uma corrida, no Condomínio Porto Rico, em Santa Maria. Os criminosos anunciaram o assalto assim que entraram no carro e, em seguida, efetuaram um disparo de arma de fogo contra a nuca do Geraldo Íris Gontijo, 51. Morto, o trabalhador foi colocado no porta-malas do próprio veículo, um Up branco. 

Como consta na ocorrência, com Geraldo no carro, os criminosos dirigiram até Valparaíso 2 à procura de um rival, identificado como Dyego de França, 31. Após localizarem o rapaz, os suspeitos o colocaram à força no carro e o levaram até a Quadra 37, Anhanguera B. Lá, o balearam diversas vezes e fugiram em seguida. A polícia colhe informações para descobrir se Geraldo foi assassinado ainda no DF ou no município goiano, o que definirá se o caso ficará a cargo da 33ª Delegacia de Polícia (Santa Maria) ou da Delegacia de Valparaíso.

Horas depois, três pessoas passaram pelo local e avistaram o carro abandonado. Ao aproximarem-se do veículo, o trio constatou que havia um homem sangrando no banco interior do automóvel. Sem ainda saber que o corpo de Geraldo estava no porta-malas, as testemunhas levaram o rapaz, com o carro do motorista de app, até o Centro de Atendimento Integrado à Saúde (Cais) do Valparaíso. Segundo relataram à polícia, não havia cirurgiões disponíveis e, por isso, seguiram até o Hospital Regional de Santa Maria (HRSM). Somente no HRSM, os socorristas do hospital perceberam que havia outro corpo dentro do porta-malas do carro de Geraldo, mas inconsciente e sem sinais vitais. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE