ASSISTÊNCIA

Casa da Mulher Brasileira em Ceilândia começa a funcionar em abril

Projeto auxilia no atendimento humanizado às mulheres em situação de violência

Correio Braziliense
postado em 11/03/2021 10:28 / atualizado em 11/03/2021 12:56
 (crédito: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília)
(crédito: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília)

As mulheres do Distrito Federal vão poder contar com um espaço de atendimento humanizado de excelência. Na tarde dessa quarta-feira (10/03), os colaboradores do projeto deram o primeiro passo para realizar o acesso a esse serviço. A secretária da Mulher, Ericka Filippelli, recebeu as chaves do prédio que vai abrigar a nova Casa da Mulher Brasileira. A primeira etapa da instituição começa a funcionar no início de abril.

“É um sonho que está se tornando realidade”, afirma Ericka. O objetivo é oferecer um local de acolhimento às mulheres em situação de vulnerabilidade, fechado desde que o prédio da instituição, na Asa Norte, foi interditado pela Defesa Civil, em 2018.

Depois de negociações com o governo federal, dono do antigo espaço, foi assinado um Termo Aditivo do convênio de manutenção da Casa da Mulher no DF. O documento assegurou o repasse de R$ 13 milhões para a Secretaria da Mulher, pelos próximos dois anos, para o aluguel e manutenção do edifício.

A Casa da Mulher presta assistência integral e humanizada às mulheres em situação de violência, facilitando o acesso aos serviços especializados e garantindo condições para o enfrentamento, o empoderamento e autonomia econômica das vítimas. “Vamos oferecer um atendimento integral às mulheres. Aqui será um espaço onde pretendemos realizar até a capacitação das mulheres”, revelou a secretária Ericka Filippelli.

Acolhimento

A nova Casa da Mulher Brasileira funcionará num prédio de cinco andares, totalizando 2 mil metros², que será ocupado por órgãos e serviços a fim de atender da melhor forma possível as mulheres. O edifício, na CNM 01, Bloco I, lote 3, no coração de Ceilândia, foi entregue totalmente pronto à Secretaria da Mulher. Serão feitas algumas intervenções, mas essas obras visam somente à adequação dos espaços, de acordo com a sua destinação.

O primeiro andar, que já estará aberto à população no início de abril, vai abrigar as salas de acolhimento, auditório, refeitório e brinquedoteca. O segundo andar terá uma área administrativa, espaços para treinamentos e cozinha industrial, além de salas de reunião e de monitoramento. No terceiro andar serão instalados os órgãos jurídicos, como a Delegacia da Mulher, Núcleo Especializado da Defensoria Pública, Juizado de Violência Doméstica e o Ministério Público.

Os espaços para atendimento individualizado ou em grupo estarão no quarto andar, enquanto o alojamento de passagem das mulheres acolhidas na Casa e o alojamento dos servidores serão instalados no quinto andar.

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE