pandemia

Covid-19: após velório do pai, filhos recebem notícia da morte da mãe

Antônio Ferreira, 67 anos, e Francisca Leite, 65 anos, eram casados há 47 anos. A família, que mora no Sol Nascente, fez uma vaquinha para conseguir enterrar a matriarca

Larissa Passos
postado em 05/04/2021 15:47
Antônio Ferreira, 67 anos, e Francisca Leite, 65 anos, eram casados há 47 anos -  (crédito: Arquivo pessoal)
Antônio Ferreira, 67 anos, e Francisca Leite, 65 anos, eram casados há 47 anos - (crédito: Arquivo pessoal)

Uma família do Sol Nascente tem enfrentado a perda dolorosa de três familiares. No dia do sepultamento do pai, Antônio Ferreira Nunes, 67 anos, os filhos receberam a notícia da morte da mãe, Francisca Leite Nunes, 65 anos. A pandemia de covid-19 tem atingido altos índices de contaminação em Brasília e a quantidade de casos somada à falta de leitos de UTI tem destruído famílias inteiras. 

O aposentado estava internado desde o dia 15 de março no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), junto com a irmã, Maria Azevedo, de 81 anos, que veio primeiro a óbito, em decorrência do novo coronavírus. A filha do casal, a auxiliar de limpeza Lucineide Leite Nunes, 46 anos, conta que, logo depois, no dia 17 de março, foi a vez da mãe ser internada. "No Hran, eles foram muito bem atendidos. Meus pais não morreram por falta de atendimento, eles foram muito bem acolhidos", afirma.

Antônio faleceu no dia 1º de abril e foi sepultado no sábado (3/4). Horas depois, a família recebeu uma ligação da enfermeira informando que Francisca não resistiu. O sepultamento ocorreu neste domingo de Páscoa (4/4). Segundo Lucineide, após enfrentar dois enterros, a família decidiu fazer uma vaquinha para conseguir dinheiro para o enterro da matriarca. "Ontem, nós enterramos a minha mãe, tivemos que fazer vaquinha para enterrar, porque três velórios ninguém está esperando, nem tem condições para fazer isso", alega.

A filha revela que os pais foram contaminados pela doença após uma viagem ao Maranhão, cidade natal do casal, para buscar a irmã, Maria. "Ela ligou pedindo para o meu pai buscá-la, porque admitiu que não dava mais conta de morar sozinha, estava com 80% da visão comprometida, então ela não estava mais se alimentando direito", explica. Lucineide diz que, quando voltaram ao DF, o pai já estava debilitado. "Por mais que o paciente esteja reagindo bem, corre o risco de, do nada, vir a piorar e foi o que aconteceu".

Apaixonados

Antônio e Francisca eram casados há 47 anos e, segundo a filha Lucineide, eram muito apaixonados um pelo outro. Durante o período de internação do casal, o hospital conseguiu juntá-los no mesmo leito. No entanto, o momento de união entre os dois durou pouco tempo, pois o pai teve que ser transferido a uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A auxiliar de limpeza afirma que a fisioterapeuta do Hran fazia videochamadas entre o pai e a mãe. "Nós ficamos muito emocionados quando a gente viu os dois conversando", relata a filha. Após uma semana dea transferência, os médicos informaram à família que o quadro de Antônio havia se agravado, tendo 90% do pulmão comprometido em decorrência da covid-19. "Passou mais uns dias, falaram que tinha que intubar porque meu pai estava consumindo 15 litros de oxigênio e se precisasse de mais 15 era só na sedação".

Lucineide disse que a mãe era muito ligada ao marido e acha que ela percebeu que Antônio estava piorando. "Eu acho que sentiu, porque ela não sabia e começou também a enfraquecer, a saturação baixar e foi baixando, ela já não queria mais comer". Após ser intubada, Francisca não resistiu.

Lucineide conta que, no condomínio no qual moram, estão todos tristes com o falecimento do pai e da mãe. "A gente não está vivendo um luto só entre a família, a gente está vivendo com muitas pessoas, porque o meu pai era muito conhecido, muito amado por todos, tanto quanto a minha mãe. Então, a gente não tem uma pessoa que chegue para nós que não tem uma história pra contar”, alega. Emocionada a filha desabafa: "O que nos fortalece é que o meu pai deixou um legado muito grande de amor. O meu pai morreu fazendo o bem e a minha mãe também".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE