Hospital de Santa Maria

Corpo de vítima da covid-19 é embalado inapropriadamente em hospital do DF

Com base no protocolo do Ministério da Saúde (MS), a maneira correta de embalar um paciente morto vítima da covid-19 é com o invólucro específico para óbito, borrifado com hipoclorito de sódio

Darcianne Diogo
postado em 07/04/2021 17:43
A denúncia foi feita em forma de vídeo enviado por funcionária do hospital -  (crédito: Material cedido ao Correio)
A denúncia foi feita em forma de vídeo enviado por funcionária do hospital - (crédito: Material cedido ao Correio)

A imagem de um corpo embalado em um saco preto no leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) chamou a atenção. A situação foi registrada por meio de um vídeo gravado por uma funcionária da unidade de saúde nesta terça-feira (6/4).

Na filmagem, é possível ver o corpo, preso com uma fita crepe preta, em uma maca, ao lado de outros pacientes internados com a covid-19. “No saco plástico, gente. Olha só”, denunciou a funcionária.



O HRSM é administrado pelo Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (Iges-DF). Questionado pelo Correio sobre a situação, o órgão confirmou que o vídeo mostra a UTI do 1º andar do Hospital de Campanha de Santa Maria, que é comandado pela empresa Associação Saúde e Movimento (ASM), contratada pela Secretaria de Saúde (SES-DF).

Com base no protocolo do Ministério da Saúde (MS), a maneira correta de embalar o corpo de um paciente vítima da covid-19 é com o invólucro específico para óbito, borrifado com hipoclorito de sódio. A má conduta pode contaminar quem vai manipular o corpo.

Por meio da SES-DF, a ASM se manifestou por nota. “Entendemos que aconteceu um evento pontual, de falha de comunicação da equipe operacional, na qual, esclarecemos que todos os materiais e insumos necessários para prestação de assistência aos pacientes são disponibilizados em todas as unidades vinculadas à instituição, bem como para este procedimento.” A nota esclareceu que estão sendo tomadas as medidas cabíveis quanto ao episódio

A empresa afirmou, ainda, que, até o presente momento, “jamais houve eventos adversos desta natureza ou que tenham inter-relação com o manejo do corpo pós-morte”. O Iges-DF ressaltou que conta com 254 invólucros para cadáver tamanho infantil, 295 adulto e 523 juvenil em estoque no HRSM para atender à demanda administrada pelo hospital. O instituto garantiu que todas as medidas para armazenamento de cadáveres são feitas de acordo com os protocolos.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE