Crime

Criminosos que furtavam casas de chineses são transferidos para a Papuda

Na segunda fase da operação Xangai, três criminosos foram transferidos de Campo Grande para Brasília para evitar uma nova articulação criminosa

Correio Braziliense
postado em 01/09/2021 17:26 / atualizado em 01/09/2021 17:46
Criminosos furtavam joias, dinheiro e outros objetos de valor -  (crédito: Divulgação/PCDF)
Criminosos furtavam joias, dinheiro e outros objetos de valor - (crédito: Divulgação/PCDF)

Na manhã desta quarta-feira (1/9), os policiais da Divisão de Repressão e Furtos (DRF) da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri) cumpriram três mandados de prisão preventiva e realizaram a transferência de três presos que faziam parte de uma associação criminosa desarticulada na primeira fase da Operação Xangai, em março de 2021. Os três criminosos que estão presos previamente pelos crimes de associação criminosa e roubo foram transferidos de Campo Grande para Brasília.

Na primeira etapa da operação, cinco integrantes da quadrilha foram presos e seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos. A quadrilha era especializada em cometer furtos e roubos em apartamentos de chineses em todo o Brasil desde 2015. Os crimes ocorreram em vários estados, entre eles São Paulo, Ceará, Pernambuco, Santa Catarina e Minas Gerais.

No Distrito Federal, os criminosos invadiram sete apartamentos, quatro em Águas Claras, dois no Guará e um em Taguatinga. Na ação, os criminosos utilizavam veículos alugados na cidade de São Paulo e se passavam por parentes das vítimas ou por entregadores, assim conseguiam enganar os porteiros para entrar nos prédios e arrombar as portas dos apartamentos. Ao todo, os criminosos conseguiram levar mais R$ 800 mil nos furtos.

A transferência para a Papuda foi autorizada pela Justiça do Distrito Federal e do Mato Grosso do Sul para evitar mais crimes.

*Com informações da Polícia Civil do Distrito Federal

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE