Apoio

Menina de 15 anos precisa de ajuda para comprar próteses após amputações

Catarina Gurgel, 15 anos, precisou amputar o braço esquerda e a perna direita após ser acometida por uma infecção generalizada

Samara Schwingel
postado em 25/09/2021 11:21 / atualizado em 25/09/2021 11:30
 (crédito: Arquivo Pessoal )
(crédito: Arquivo Pessoal )

Catarina Gurgel, uma menina de apenas 15 anos, viu a vida mudar em menos de um mês. Após ter uma infecção generalizada aguda — condição conhecida como sepse — em agosto deste ano, a estudante teve dois membros amputados: a perna direita e o braço esquerdo. Agora, ela pede ajuda para conseguir arcar com próteses. Para isso, ela abriu uma vaquinha virtual e conta com doações a fim de retomar a rotina de antes. Os valores passam de R$100 mil. 

A história de Catarina começa em 22 de agosto. Após sentir dores na região abdominal, ela foi com a mãe, Wilca Gurgel, 49, ao hospital. Lá, a menina foi diagnosticada com infecção urinária, pegou a receita de um antibiótico e voltou para casa. Porém, instantes depois precisou retornar ao hospital. "Ela chegou em casa e começou a desmaiar várias vezes, não chegou nem a tomar o remédio. A mãe voltou com ela para o hospital correndo", conta a tia de Catarina, Valquíria Gurgel, 48. 

No hospital, a estudante foi internada em uma unidade de terapia intensiva (UTI) imediatamente e foi entubada. "Ela chegou a ter uma parada cardíaca de cerca de 20 minutos. Os médicos nos avisaram que ela não ia sobreviver, chegaram a chamar a família para se despedir", diz Valquíria. Porém, Catarina resistiu e passou 24 dias na UTI. "Chamam ela de milagre do leito 13, porque a recuperação foi algo inexplicável", comenta a tia. 

Amputações 

Porém, enquanto Catarina se recuperava, os médicos alertaram a família que dois membros ficaram necrosados, devido complicações e altas doses de medicações. Por isso, foi necessário amputá-los. A perna foi amputada em 1º de setembro, o braço, no dia 21 do mesmo mês. 

Catarina estava ciente das amputações. Partiu dela a ideia da vaquinha para arcar com próteses. "Ela tem vontade de viver, de sair da cama. Ela que nos dá forças, porque a família está devastada. Catarina tem noção de que a vida dela é um milagre e não quer parar por aí", afirma a tia. 

Após a ideia da estudante, Valquíria procurou a melhor forma de iniciar a vaquinha e encontrou uma plataforma online. Até o momento, a família arrecadou R$79,3 mil. A meta é chegar a R$130 mil. 

""Olá, me chamo Catarina e tenho só 15 anos. No dia 22.08, dei entrada em um hospital com falso diagnóstico de infecção urinária e logo o quadro evoluiu para Sepse (infecção generalizada aguda). Fiquei 24 dias na UTI entre a vida e a morte. Deus me presenteou novamente com o milagre da vida, mas infelizmente, devido às complicações, tive que amputar 2 membros do meu corpo (perna direita e braço esquerdo). Então, como minha família não tem maiores condições financeiras, peço a ajuda de vocês para adquirir as minhas próteses como também ajudar nas despesas médicas. Diante de tudo que passei, agora o que mais desejo é voltar a minha vida normal dentro das limitações que me cabem. Quero continuar realizando os meus sonhos e celebrando a vida, uma dádiva de Deus. Agradeço a todos vocês pela generosidade de me ajudar. Gratidão por estarem ao meu lado nesse momento tão difícil e desafiador de minha tão jovem vida", diz a menina na apresentação do vaquinha."

Para ajudar Catarina basta clicar aqui. A adolescente segue no hospital em recuperação. "O corpo dela ainda não está totalmente recuperado de todo o trauma. Toda ajuda é bem-vinda", completa a tia. A mãe de Catarina, Wilca, segue na unidade de saúde com a filha. 

Programa do GDF 

A Secretaria de Saúde adquiriu 1.469 próteses ambulatoriais para membros superiores e inferiores, para pessoas que amputaram alguma parte do corpo, entre 2019 a 2021. O investimento foi de 3,5 milhões de reais. Um total de 526 próteses já foi entregue e, neste ano, há previsão de chamar mais 200 pessoas para receberem a peça.

Nos últimos 30 meses, o governo local também oferta próteses cirúrgicas. Foram inseridas 642 peças durante operações nos ombros, quadril e joelhos. O custo é de 2,2 milhões de reais. Segundo a Secretaria de Saúde, elas são colocadas para tratar problemas como fraturas, patologias e doenças degenerativas.

Acessórios mais caros de titânio e que oferecem maior mobilidade ao usuário não eram adquiridos pelo GDF desde 2013. Mas em janeiro deste ano, foram disponibilizadas 89 próteses dessas de alta tecnologia de membro inferior.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE