Pandemia

Hospital do Paranoá tem servidores afastados após casos de covid-19

Cinco servidores testaram positivo para covid-19, um teve resultado negativo e aguardando o resultado do exame. Todos estão em isolamento domiciliar

Ana Maria Pol
postado em 26/09/2021 18:13
 (crédito: Carlos Vieira/CB)
(crédito: Carlos Vieira/CB)

Sete servidores do pronto-socorro do Hospital Regional do Paranoá (HRP) estão afastados das atividades após cinco deles receberem diagnóstico de covid-19. Entre os infectados, estão cinco técnicos de enfermagem, um enfermeiro e um fisioterapeuta. Todos eles cumprem isolamento domiciliar, cinco com resultado positivo para covid-19, um com resultado negativo e um aguardando resultado de exame.

Uma servidora, que optou em não se identificar, explicou que os casos começaram a aumentar nas últimas três semanas. “Eles (direção do hospital) fizeram notificações para as pessoas tomarem mais cuidado, se protegerem, andarem com máscara. Coisas que, obviamente, todos deveriam fazer. Até fizeram uma reunião on-line para os servidores da assistência de enfermagem, e o pessoal reclamou, porque faz muito calor no Pronto-Socorro. Não sei se isso acaba fazendo com que as pessoas tirem a máscara. É muito insalubre mesmo, o local de trabalho é muito quente”, disse.

Para ela, o aumento de casos reforça a importância da dose de reforço para os profissionais da saúde. “Eles foram os primeiros a se vacinarem, lá em janeiro”, acrescenta.

Segundo a infectologista Ana Helena Germoglio, os estudos já mostram que, após 6 meses, as vacinas têm redução de eficácia. “Isso sem levar em consideração as questões individuais, como idade e comorbidade, que fazem com que a eficácia da vacina seja reduzida. Outro ponto a ser considerado e que levou à aprovação da dose de reforço pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC): alta exposição dos profissionais de saúde ao vírus. Então, não somente médicos, mas os profissionais da saúde em geral, precisam tomar a dose de reforço’, defendeu.

Posicionamento do HRP

Em nota, a direção do HRP informou que adotou uma série de medidas com vistas a reforçar os cuidados. “Foi enfatizado que todo servidor que apresentar quadro respiratório agudo (febre, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou gustativos) deve se afastar do trabalho logo no início dos sintomas e só retornar depois de descartado o diagnóstico de covid-19”, pontuou.

Além disso, a direção explicou que foi reforçado o alerta para as medidas de precaução: manter ambientes limpos e ventilados, distanciamento de no mínimo um metro entre as pessoas, uso obrigatório da máscara, que deve ser trocada a cada quatro horas, e higiene das mãos com água e sabão líquido ou álcool 70%. “Para todos os casos positivos foi solicitado sequenciamento genômico, para identificação da variante do vírus”, completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE