ECONOMIA

Alta na intenção de compra dos consumidores anima lojistas para Dia das Crianças

Com estoques cheios e otimismo, comércio prevê um crescimento nas vendas de 20,78% em relação ao ano passado. Além de brinquedos, calçados e acessórios fazem parte da lista de compras dos consumidores

Renata Nagashima
postado em 30/09/2021 06:00
Todos os anos Keila Veronica doa presentes para crianças carentes -  (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Todos os anos Keila Veronica doa presentes para crianças carentes - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

A duas semanas do Dia das Crianças, os comerciantes do Distrito Federal estão com estoques garantidos e com altas expectativas para o aumento nas vendas. O cenário é bem diferente do que ocorreu no ano passado, quando não indicava um bom crescimento de vendas na data comemorativa. A estimativa acabou se concretizando em números, com um aumento de apenas 2% em relação ao ano de 2019. De acordo com levantamento feito pela Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio-DF), a expectativa média de crescimento nas vendas agora deve ser de 20,78%, em relação ao que foi vendido na mesma data do ano passado.

Este ano, as vendas vêm subindo desde julho e, segundo pesquisa da Fecomércio sobre a intenção de compras e expectativa de vendas no comércio varejista para o Dia das Crianças, a intenção de compra dos consumidores cresceu cerca de 70% e o gasto médio deverá ser de R$ 127. As preferências são por brinquedos, calçados e acessórios, além de doces.

De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista do DF (Sindivarejista), está previsto um aumento de cerca de 14% contra as vendas negativas de 2% do ano no setor. Segundo a entidade, o gasto médio deverá ser entre R$120 a R$130. Os presentes com expectativa mais alta de vendas devem ser as roupas infantis, interesse de 60% dos consumidores. Em pesquisa realizada, 98% dos entrevistados pretendem pagar os presentes com o cartão de crédito — em 2020, o índice era de 82%.

Presidente do Sistema Fecomércio-DF, José Aparecido Freire destaca que esse momento deve marcar o comércio, uma vez que pode simbolizar retomada. “Prevíamos esse cenário. A partir do Dia das Mães, as datas comemorativas têm ajudado bastante, e os empresários estão com uma expectativa muito boa de alcançar algo parecido com o segundo semestre de 2019, período pré-pandemia, com recuperação dos empregos e alta nas vendas”, diz.

O comerciante Djalma Pereira, 58 anos, afirmou que esperou muito pelo Dia das Crianças e garante que está preparado para receber a demanda dos clientes. Dono de uma loja de brinquedos, há 36 anos, no Mercado Norte, em Taguatinga, ele conta que o último ano foi desafiador para o comércio e a data comemorativa traz consigo esperanças. “Agora, além de ver a melhora, poderemos sentir no caixa. Esse mês começamos a preparar os estoques, que estão cheios. Os consumidores estão procurando agora por presentes do Dia das Crianças, mas a grande maioria só vem na semana mesmo, o brasileiro tem esse costume de deixar tudo para hora”, explica.

Com a recuperação acontecendo aos poucos, Djalma Pereira acrescenta que alegria mesmo vai ser no Natal, quando quase toda população do DF estará vacinada contra a covid-19, e o comércio completamente normal. “Esse é um período muito aguardado por nós, agora então, vai ser o melhor desde que a pandemia começou. Agora poderemos sentir um pouco o que estará por vir no Natal”, afirma. Segundo levantamento do Sindivarejista, as vendas no Natal poderão crescer até 16% em relação ao ano passado.

  • Djalma Pereira: 'Os consumidores estão procurando agora por presentes'
    O comerciante Djalma Pereira afirma que consumidores têm procurado por presentes desde já Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  • Adriana, Alexandre e a pequena Ana Clara: preços estão um pouco salgados
    Adriana, Alexandre e a pequena Ana Clara: preços estão um pouco salgados Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Família

A técnica de enfermagem Keila Veronica, 31, tem só uma filha, mas estava com o carrinho cheio de brinquedos para o Dia das Crianças. Há 20 anos ela separa a data para fazer a diferença na vida de crianças carentes doando brinquedos. “Essa foi a forma que encontrei de mudar, nem que seja um pouco, a realidade de crianças de famílias que não têm condições sequer para o básico de casa”, conta. Todos os anos ela escolhe um local diferente, dessa vez a cidade contemplada será a Estrutural.

Depois das dificuldades do ano de 2020, Keila comemora a reabertura do comércio. “Economicamente falando, esse ano está bem melhor. Ano passado a maioria das coisas estavam fechadas, o que acabou dificultando um pouco. Depois desse período, que foi tão difícil para todos, é um alívio estar aqui comprando brinquedos na minha folga”, comemora.

Alexandre Gonçalves, 44, vai presentear também uma amiguinha da filha Ana Clara, 3, e se assustou com os preços. “Está tudo muito caro. Entendo que é um momento de recuperação, mas os preços aumentaram bastante, por isso a gente acaba tendo que pesquisar bastante”, diz. O presente do Dia das Crianças das filhas vai ficar para mais próximo da data, uma vez que a família não tem costume de fazer compras para o dia das crianças. “Nós damos algum presentinho, mas não temos a tradição de fazer grandes compras para essa data”, explicou a mãe, Adriana Gonçalves, 43.

Otimismo

Pesquisa sobre a intenção de compras e expectativa de vendas no comércio varejista do DF para o Dia das Crianças de 2021

Intenção de compras

Percentual de consumidores pretendem presentear no Dia das Crianças será de 70,47%

Valor médio do presente será de R$127,96

Preferências

Brinquedos — 35,69%
Calçados/Acessórios — 20,84%
Tortas/Doces/Bombons — 20,71%

Expectativa de vendas

Crescimento de 20,78%

Venda média esperada por pessoa será de R$ 135,92

Expectativa média no aumento dos preços será de 13,29%

Fonte: Fecomércio-DF

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE