TRIBUTOS

GDF facilita isenção de impostos para templos religiosos. Veja regras

A exigência da regularidade fiscal, que antes era dos proprietários dos imóveis, passa a ser dos ocupantes dos templos

Correio Braziliense
postado em 11/10/2021 21:48
 (crédito: @giscardstephanou/Instagram)
(crédito: @giscardstephanou/Instagram)

O Governo do Distrito Federal (GDF) facilitou o acesso dos templos religiosos à isenção do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e da Taxa de Limpeza Pública (TLP). Agora, a exigência de regularidade fiscal, que era dos proprietários dos imóveis em que as igrejas estavam funcionando, passa para os ocupantes dos templos religiosos. 

A mudança está valendo desde 6 de outubro, após a aprovação do projeto de lei nº 2.212/21, do Executivo, pela Câmara Legislativa do DF (CLDF). “O novo texto normatiza a Lei nº 6.466, de 27 de dezembro de 2019, uma vez que os templos já têm direito à isenção, mas encontravam dificuldades relacionadas ao que dispunha a lei”, explica o secretário de Economia, André Clemente.

Cadastro

Em julho deste ano, a Secretaria de Economia publicou o Decreto nº 42.273, que regulamenta o Cadastro de Templos Religiosos (CTR), criado em 2019. A medida facilita o reconhecimento das entidades religiosas, desburocratiza os processos e garante a imunidade tributária dos templos com transparência e segurança jurídica para as entidades, para o governo e para a sociedade.

Pelo CTR, a pasta poderá sistematizar dados e informações sobre os templos de qualquer culto em funcionamento no Distrito Federal, de forma a auxiliar o poder público no reconhecimento da imunidade tributária prevista em lei. O formulário de adesão ao CTR está disponível no Portal de Serviços da Receita do Distrito Federal.

A entidade religiosa interessada em aderir ao CTR deve enviar o pedido à secretaria e preencher as seguintes condições:

  • Estar regularmente constituída como pessoa jurídica;
  • Não distribuir qualquer parcela de seu patrimônio ou de sua renda a qualquer título, salvo no cumprimento dos propósitos contidos no estatuto da entidade;
  • Ter no estatuto a previsão de que, na hipótese de dissolução da entidade, a integralidade de seu patrimônio, após quitados todos os débitos e obrigações existentes, será destinada a outra entidade religiosa que preencher os requisitos da lei;
  • Possuir a escrituração das receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar a exatidão, ou em meios digitais, conforme legislação pertinente;
  • Possuir Certidão Negativa de Débitos Fiscais para com a Secretaria de Economia.

*Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE